Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Vítor Caldeira, que deixou recentemente o cargo de presidente do Tribunal de Contas, reagiu pela primeira vez à sua não recondução no lugar, via Linkedin. Apesar dos rasgados elogios de Marcelo Rebelo de Sousa ao seu mandato, Vítor Caldeira optou por uma despedida muito mais discreta, depois de toda a polémica que o caso abriu.

“O meu mandato como presidente do Tribunal de Contas português chegou ao fim. Foi um privilégio servir o meu país e a comunidade SAI [Supreme Audit Institutions, tribunais de contas] europeia e internacional nesta posição. Muito obrigado a todos pela boa cooperação”, escreveu Vítor Caldeira.

Na tomada de posse do novo presidente do Tribunal de Contas, José Tavares, o Presidente da República não poupou nos elogios ao antigo presidente, referindo um sentimento de “gratidão nacional” por “ter superado todas as muitas elevadas expetativas de há quatro anos”.

Marcelo Rebelo de Sousa: escolha do novo presidente do Tribunal de Contas “foi intencional”

Na justificação da não recondução de Vítor Caldeira, Marcelo Rebelo de Sousa falou do critério de mandato único. Sobre a escolha de José Tavares, disse que pesou “ser alguém tão ou mais aceite pela oposição do que pelo Governo”, mas que a responsabilidade da escolha é sua “e de mais ninguém”.

Rui Rio ajudou a escolher sucessor do Tribunal de Contas