O Centro de Incubação de Negócios da Agência Espacial Europeia (ESA BIC) em Portugal, coordenado pelo Instituto Pedro Nunes (IPN), de Coimbra, venceu o Prémio RegioStars, promovido pela Comissão Europeia, foi esta quarta-feira anunciado.

Os vencedores do prémio, que visa “identificar boas práticas de desenvolvimento regional, destacando projetos inovadores apoiados por fundos europeus”, foram divulgados esta quarta-feira, em Bruxelas, pela Comissão Europeia, na cerimónia oficial dos Regiostars, enquadrada na Semana Europeia das Regiões.

O projeto distinguido, financiado pelo Programa Centro 2020, apoia empresas com planos que “incorporem tecnologia espacial em aplicações terrestres, em áreas como a saúde, energia, transportes, segurança e vida urbana, mas também empresas que pretendem entrar no mercado espacial comercial”, afirma uma nota do IPN e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), enviada esta quarta-feira à agência Lusa.

A presidente do Instituto Pedro Nunes, Teresa Mendes, congratula-se com “mais esta distinção da Comissão Europeia”, que, sustenta, “representa o reconhecimento do trabalho que o IPN tem vindo a desenvolver no reforço da região Centro como uma área incontornável do desenvolvimento espacial em Portugal”.

Esta “não é a primeira vez que o IPN ganha um prémio RegioStars”, afirma, citada na nota, Teresa Mendes, recordando que em 2017 a aceleradora ganhou o prémio na categoria Technology Business Innovation Sustainable Growth — Business Accelerator.

Para Isabel Damasceno, presidente da CCDRC, o galardão constitui “um grande orgulho para toda a região Centro” e valoriza os projetos financiados pelo Centro 2020, evidenciando “uma boa aplicação das verbas da solidariedade europeia em projetos inovadores, valorizadores dos recursos e das pessoas dos territórios e com forte impacto em termos de geração de emprego e de riqueza”.

O prémio confirma “o papel relevante e inovador que cada vez mais as entidades regionais assumem no contexto europeu”.

Já Carlos Cerqueira, coordenador do ESA Space Solutions Portugal, igualmente citado pela CCDRC e pelo IPN, considera que se trata do reconhecimento de que o ESA BIC Portugal “contribui cada vez mais para atrair e reter talento na região, criar empregos qualificados e colocar a região Centro como uma das regiões de referência na economia do espaço europeia”.

Este ano, o ESA BIC Portugal aumentou a sua rede de três para 15 incubadoras em todo o território nacional, incluindo os Açores e a Madeira.

Nos últimos cinco anos, incubou 30 empresas, criou mais de 100 novos postos de trabalho e gerou um volume de negócios total de cerca de cinco milhões de euros. O impacto total, se se juntar as outras atividades do espaço coordenadas pelo IPN, chega aos 11,5 milhões de euros, destaca a mesma nota.

Este é o quarto prémio Regiostars alcançado pela região Centro. O projeto Centro BIO: Bioindústrias, Biorrefinarias e Bioprodutos”, da BLC3 – Campus de Tecnologia e Inovação de Oliveira do Hospital (distrito de Coimbra), venceu em 2016; o Centro de Negócios e Serviços Partilhados do Fundão (Castelo Branco) e o projeto de Reabilitação do lugar da Vista Alegre venceram os Regiostars em 2018.