Os músicos Mário Laginha, Sérgio Carolino, Mário Delgado, Ricardo Toscano e Alexandre Frazão são alguns dos participantes do festival SeixalJazz que abre quinta-feira.

Até 24 de outubro, no auditório do Fórum Cultural do Seixal, sempre às 22h, vão atuar sete agrupamentos de jazz. A câmara seixalense garante que “serão asseguradas as condições de segurança e o distanciamento físico”, “no cumprimento das indicações da Direção-Geral da Saúde”.

A abertura do certame, na quinta-feira, está a cargo do Sexteto de Jazz de Lisboa, formado pelos músicos Mário Laginha, no piano, Francisco Brito, no contrabaixo, Mário Barreiros, na bateria, Edgar Caramelo, no saxofone tenor, Ricardo Toscano, no saxofone alto, e Tomás Pimentel, no trompete e fliscorne. O sexteto surgiu em 1984, tendo a sua formação sido alterada desde então, sendo Ricardo Toscano e Francisco Brito as mais recentes entradas no grupo. O sexteto tem “uma sonoridade marcadamente contemporânea que tem encontrado uma boa receção por parte da crítica”, assinala a organização.

No dia seguinte, atua o trio do contrabaixista André Rosinha, que vai apresentar o álbum “Árvore”, editado em dezembro último. Além de Rosinha, o trio conta com João Paulo Esteves da Silva, no piano, e Marcos Cavaleiro, na bateria. Sobre o disco, refere a organização que “abre caminho a novas experiências através de temas originais compostos por André Rosinha, escritos a pensar nos seus companheiros” , apresentando “peças cativantes e inovadoras” com “influências de vários estilos musicais, como o jazz, os boleros, o folk e a música clássica”. O álbum é “fundamentalmente composto por música simples e livre, com espaço para que cada um possa deixar a sua personalidade musical; vive dos momentos de interação entre os membros e explora os conceitos da improvisação individual e coletiva”, acrescenta.

No próximo sábado atua o trio TGB constituído por Sérgio Carolino (tuba), Mário Delgado (guitarras) e Alexandre Frazão (bateria), “alguns dos mais aclamados músicos nacionais”, assinala a mesma fonte, realçando “instrumentação fora do comum” do agrupamento.

No próximo dia 21 atua Raon Figueiredo Hasselberg que junta Eduardo Raon, na harpa, Luís Figueiredo, no piano, e João Hasselberg, no contrabaixo, “três nomes-chave do jazz”. Este concerto tem como ponto de partida o disco “This Was What Will Be”, saído em abril passado.

No dia seguinte toca Ricardo Pinheiro Miguel Amado – Lab, combo formado por Ricardo Pinheiro (guitarra), Miguel Amado (baixo elétrico), Tomás Marques (saxofone alto), e Diogo Alexandre (bateria). “Lab” é um projeto liderado por Ricardo Pinheiro e Miguel Amado, criado de raiz, com composições da sua autoria, e “para o qual convidaram dois impressionantes músicos da nova geração: Tomás Marques, no saxofone, e Diogo Alexandre, na bateria, vencedores do Prémio Jovens Músicos/2019, na categoria jazz”.

No dia 25 atua o quinteto da pianista Isabel Rato, que conta ainda com João David Almeida, (voz), João Capinha, (saxofones soprano, alto e tenor), João Custódio (contrabaixo), e Alexandre Alves (bateria).

Eduardo Cardinho Quarteto encerra o SeixalJazz, no dia 24. Além de Eduardo Cardinho, no vibrafone, o quarteto completa-se com João Barradas, no acordeão, André Rosinha, no contrabaixo, e Bruno Pedroso, na bateria.

Paralelamente, na Galeria de Exposições Augusto Cabrita, está patente a exposição “Jazz à Vista” do pintor Xicofran (Francisco Fernandes).