Os governos português e indiano começaram esta quarta-feira a preparar a cimeira União Europeia/Índia, marcada para 8 de maio, no Porto, e que visa incrementar as relações políticas e económicas, disse à Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal.

Numa videoconferência realizada entre os dois ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva e Subrahmanyan Jaishankar iniciaram “a preparação da reunião entre os líderes europeus e o primeiro-ministro [indiano, Narendra] Modi, que está marcada para o próximo dia 8 de maio, no Porto, a seguir ao Conselho Europeu informal”, avançou o responsável português.

A reunião acontecerá durante a presidência portuguesa da União Europeia, que começa no início do próximo ano e dura seis meses.

O objetivo essencial dessa reunião é dar impulso político às relações entre as duas entidades e, em particular, [realizar] negociações para incrementar o relacionamento económico — quer comercial, quer de investimento — entre a Índia e a União Europeia”, explicou Santos Silva.

O primeiro-ministro, António Costa, assumiu, em maio passado, que a cimeira União Europeia/Índia é um dos objetivos diplomáticos de Portugal para esse período.

“Concluímos que é mais importante do que nunca a realização da cimeira União Europeia/Índia, durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia”, salientou António Costa em maio.

A reunião desta quarta-feira entre os dois responsáveis pelos Negócios Estrangeiros serviu também para trocar “informação, que é sempre muito útil, sobre a evolução da pandemia nos respetivos países e também a evolução das medidas de saúde publica que estão a ser tomadas”.

Além disso, os dois ministros decidiram realizar a quinta comissão mista Portugal/Índia, “que será, do lado português, presidida pelo secretário de Estado da Internacionalização” e fizeram ainda um “ponto da situação sobre os acordos que estão a ser negociados na sequência da visita do Presidente da República à Índia”, em fevereiro passado.

Entre os acordos falados com Marcelo Rebelo de Sousa, conta-se um referente à mobilidade laboral, um sobre cooperação no domínio marítimo e dos portos e outro de cooperação no domínio da produção audiovisual, avançou Augusto Santos Silva, garantindo que os “documentos iniciarão o respetivo processo de ratificação em Portugal logo que recebamos todos os documentos da parte indiana”.

A conversa entre os dois ministros serviu ainda para assegurar os apoios mútuos às candidaturas dos dois países ao Conselho de Segurança da ONU (a Índia em 2021 e Portugal em 2026) e para o Governo português confirmar o seu apoio à candidatura apresentada pela Índia para ser observador associado da CPLP.