A economia de Macau deverá regredir 52,3% este ano, devido à pandemia da Covid-19 segundo as Perspetivas Económicas Mundiais esta quarta-feira divulgadas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em abril, o FMI previa uma diminuição de 29,6% em 2020.

De acordo com o documento divulgado na terça-feira pelo FMI, a economia de Macau, que em 2019 encolheu 4,7%, em 2021 terá um crescimento substancial de 23,9%, apesar da revisão em baixa em relação à taxa de crescimento de 32%, estimada em abril.

Por outro lado, a taxa de desemprego da capital mundial do jogo vai manter-se praticamente inalterada: 2,3% este ano e no ano seguinte de 2%, indicou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quanto à inflação, deverá fixar-se nos 1,7% em 2020 e 1,8% no ano seguinte.

Macau foi dos primeiros territórios a ser atingido pela pandemia, tendo registado 46 casos. Atualmente, não tem nenhum caso ativo.

Altamente dependente do turismo e dos casinos, a economia de Macau encontra-se praticamente paralisada.

De acordo com o Governo do território, o Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro semestre ‘encolheu’ 58,2%, em comparação com o período homólogo de 2019, e a diminuição no segundo trimestre foi de 67,8%, também em termos anuais.