A Câmara de Lisboa aprovou esta quinta-feira, por unanimidade, a criação de um plano municipal de prevenção e combate aos problemas de saúde mental na cidade.

Por proposta dos vereadores do CDS-PP na autarquia, o município presidido por Fernando Medina (PS) vai criar um plano “que permita prevenir, sensibilizar, acompanhar e responder às necessidades essenciais das pessoas com perturbações deste foro”.

Segundo o documento, a que a Lusa teve acesso, a câmara municipal deve “estabelecer protocolos com entidades do setor social e privado do distrito de Lisboa de forma a encontrar vagas para os doentes que não consigam encontrar resposta adequada no SNS [Serviço Nacional de Saúde]”.

É preciso combater o estigma, criar respostas concretas, e Lisboa deve tomar a dianteira num tema que nos toca a todos”, defendem os centristas na proposta apreciada em reunião privada do executivo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo dados citados pelo CDS, a Organização Mundial de Saúde divulgou recentemente que “a pandemia suspendeu os serviços de saúde mental em 93% dos países do mundo”.

Constituindo-se como umas das maiores preocupações da sociedade portuguesa, a saúde mental é também um dos maiores desafios a longo prazo. Nos últimos tempos, devido ao impacto avassalador da pandemia, temos assistido, com inquietação, a um agravamento considerável da situação e, subsequentemente, ao aumento da procura no acesso aos cuidados de saúde mental”, defende a proposta.

O documento refere ainda que Portugal “é o segundo país da Europa com maior prevalência de doenças psiquiátricas e mais de um em cada cinco portugueses sofrem de uma perturbação psiquiátrica”.

“A saúde mental é um flagelo transversal a toda a sociedade que se traduz num sofrimento silencioso que nos deve preocupar e, por conseguinte, mobilizar”, é salientado.

Os eleitos aprovaram ainda, por unanimidade, uma moção do CDS que solicita ao Ministério da Saúde, juntamente com a Direção-Geral da Saúde, através de um protocolo com o município, a elaboração de um estudo que permita quantificar e avaliar a situação da saúde mental na cidade de Lisboa.