Os artistas Marta Wengorovius e Pedro Proença revisitaram os azulejos do Palácio dos Condes do Pombeiro, em Lisboa, onde está a Embaixada de Itália, e o resultado será mostrado no dia 23 numa homenagem às vítimas do coronavírus.

Segundo a Galeria Ratton, num comunicado enviado à agência Lusa, “os artistas Marta Wengorovius e Pedro Proença foram convidados a revisitar os azulejos do Palácio e propor um diálogo entre os azulejos e o imaginário presente em ‘Requiem’, o único livro escrito em português por Antonio Tabucchi”.

O “Projecto Requiem” — Homenagem às Vítimas do Coronavírus é uma iniciativa da Embaixada de Itália, criada “com o intuito de abrir as portas à comunidade de Lisboa do precioso património azulejar presente no pátio e na escadaria do Palácio dos Condes de Pombeiro“. A Galeria Ratton foi convidada “para coordenar esta iniciativa”. A galeria e os artistas Marta Wengorovius e Pedro Proença, lê-se no comunicado, “identificaram como ponte natural e emocional da intervenção a obra de Tabucchi, em particular ‘Requiem — Uma Alucinação’, considerado um tributo à cidade de Lisboa que vive da conversa inacabada entre vivos e mortos”. A partir do livro do escritor italiano, os artistas “envolveram-se num processo de criação fortemente evocativo, assente na inspiração recíproca entre Pintura e Literatura que sempre caracterizou também a obra de Antonio Tabucchi”.

O resultado será mostrado no dia 23 de outubro numa capela situada no jardim da Embaixada de Itália, mas, devido à pandemia da Covid-19, esta cerimónia de homenagem às vítimas do coronavírus terá uma participação limitada.

No entanto, as obras realizadas por Marta Wengorovius e Pedro Proença a partir do romance de Tabucchi poderão ser vistas na Galeria Ratton, a partir de 29 de outubro, na exposição “Entre o Sol e a Lua, uma alucinação”.