Funchal, Madeira, 17 out 2020 (Lusa) — O PS/Madeira defendeu hoje que o Governo Regional deve utilizar as potencialidades da Universidade da Madeira para efetuar um estudo científico sobre a introdução de ferramentas de ensino, como o ‘tablet’, nas escolas do arquipélago.

“O grupo parlamentar do PS/Madeira considera que é chegada a hora de o Governo Regional olhar para a Universidade da Madeira (UMa) com uma visão completamente diferente”, declarou o deputado socialista na Assembleia Legislativa regional Rui Caetano.

Em conferência de imprensa, Rui Caetano destacou “as potencialidades imensas no desenvolvimento da região” que a academia madeirense tem e sustentou ser necessário que o executivo madeirense faça um investimento “de forma séria e com substância, para que na verdade se possa desenvolver todas essas condições”.

“Dou um exemplo muito concreto: neste momento, a secretaria regional [da Educação] está a introduzir nas escolas da região o ‘tablet’ e manuais escolares, medida que neste momento abrange os 5.º e 6.º anos e, nalguns casos, o 7.º, graças a protocolos com as câmaras municipais”, referiu o parlamentar.

Rui Caetano realçou “o impacto que esta nova forma de trazer novas ferramentas para dentro das escolas – ‘tablets’ e manuais escolares – teve do ponto de vista das aprendizagens e da aquisição dos conhecimentos.

Por isso, sustentou ser “urgente o Governo Regional desenvolver um estudo científico do ponto de vista de acompanhamento e avaliação de todo o processo”, para fazer uma avaliação se “essa nova forma de trabalhar nas escolas está a ser feita de maneira sustentada e que tenha futuro para a Região e desenvolvimento de outra escola na região”.

Na opinião de Rui Caetano, “o executivo da Madeira deveria assinar um protocolo com a universidade, com os diversos departamentos, de diversas áreas, para que seja a UMa a analisar, com fundamento científico, pedagógico e da saúde.

“Porque sabemos que são muitas horas que as crianças estão à frente de um computador ou de um ‘tablet'”, explicou.

O deputado socialista disse ainda ser necessário “perceber o que está a correr bem e menos bem, e tentar implementar algumas alterações ou readaptações de todo o processo que está a ser desenvolvido na Região”.