Depois do ano letivo 2019/2020 ter sido parcialmente lecionado à distância, com o apoio da chamada “telescola”, o Ministério da Educação, em parceria com a RTP, lança agora a segunda fase do “Estudo em Casa”. O objetivo é funcionar como uma ferramenta de “complemento à escola”, que pode servir de apoio não só aos alunos que estiverem em casa (em isolamento, por exemplo), como também pode servir como ferramenta à disposição dos professores, quer estejam a dar aulas presencialmente ou à distância.

O maior enfoque será nos conteúdos do Ensino Básico, que vão ficar disponíveis a partir desta segunda-feira, 19 de outubro, na RTP Memória, mas também vai haver blocos destinados ao ensino secundário (mas só a partir de novembro), avança o Ministério da Educação em comunicado.

“Esta nova fase terá uma incidência particular no Ensino Básico, iniciando-se no dia 19 de outubro, por forma a acompanhar o calendário escolar definido pelo Ministério da Educação”, lê-se no comunicado, onde se explica que, à semelhança do que aconteceu nas aulas presenciais, em que as primeiras cinco semanas foram dedicadas especificamente à recuperação de aprendizagem do ano letivo passado, também a RTP Memória repôs os blocos pedagógicos do ano anterior. A partir desta segunda-feira é que se vai iniciar a aprendizagem das matérias novas.

Grelha do Estudo em Casa

A grelha vai assentar em blocos diários de 30 minutos, a começar às 9h e estendendo-se até às 16h30. No total, vão ser transmitidos 75 blocos pedagógicos por semana. “Tal como no ano passado, os blocos da manhã são dedicados aos 1.º e 2.º ciclos e os da tarde ao 3.º ciclo, fazendo por norma a disciplina de Português Língua não Materna a transição entre os dois turnos”, acrescenta o comunicado.

Uma vez que a telescola já não é, neste ano letivo, um recurso de urgência, a ideia é que funcione de “complemento” à aprendizagem. “A Direção-Geral da Educação concebeu os novos recursos de forma ainda mais estruturada e que constituirá, além do mais, um dos mais ricos, completos e transversais produtos pedagógicas produzidos nos últimos anos”, lê-se na nota enviada à imprensa.

Entre as novidades, destaca-se a “autonomização” do 1º e do 2º anos, devido às necessidades específicas da aquisição da escrita e da leitura; e a introdução de um novo bloco chamado “Orientação para Trabalho Autónomo”, onde se procura desenvolver formas de autorregulação e de aprofundamento das aprendizagens. O alargamento ao ensino secundário era também uma novidade já anunciada, mas os conteúdos deste nível de ensino só vão estar disponíveis a partir de novembro.

Em relação ao ensino secundário, a ideia é que funcione ainda mais de forma autónoma e complementar. Por isso os blocos de aprendizagem são blocos temáticos, por forma a poderem ser abordados isoladamente através da aplicação ou da RTP Play. “Apesar de este nível de ensino ter a mesma equipa educativa e o mesmo número de blocos semanais, estes serão organizados em blocos temáticos que podem ser abordados sequencial ou isoladamente, ficando acessíveis na RTP Play e na APP, por forma a serem utilizados como reforço das aprendizagens, especialmente em contexto fora da sala de aula”, lê-se.

O “Estudo Em Casa 2020/2021” para o Ensino Básico vai ser transmitido na RTP Memória, nos seguintes canais: TDT – posição 7; MEO – posição 100; NOS – posição 19; Vodafone – posição 17; Nowo – posição 13. E vai ficar também disponível na internet, tanto no site da RTP como no site da DGE (onde estão alojados os conteúdos que os professores utilizam em cada bloco).