As autoridades egípcias anunciaram esta segunda-feira a descoberta de uma coleção de sarcófagos datados de há mais de 2.500 anos, na zona arqueológica de Sakkara, a sul do Cairo, depois de terem descoberto outros 59 na mesma área.

Em comunicado, o Ministério das Antiguidades egípcio informou a descoberta de “três novos poços”, no interior dos quais estava uma coleção de “sarcófagos coloridos e selados desde há mais de 2.500 anos”.

Os detalhes desta descoberta, realizada por uma equipa de arqueólogos egípcios, vão ser apresentados “nas próximas semanas durante uma conferência de imprensa na zona arqueológica de Sakkara, depois de se completar a documentação arqueológica e fotográfica”, adiantou-se no texto.

O primeiro-ministro egípcio, Mustafa Madbuli, visitou esta segunda-feira, com o ministro do Turismo e Antiguidades, Jaled al Anani, e o secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades, Mustafa Waziri, a necrópole de Sakkara.

No dia 3 de outubro, depois da paragem social, devido à pandemia do novo coronavírus, o Egito apresentou a primeira descoberta de envergadura dos últimos meses: 59 sarcófagos de madeira em perfeitas condições, com as suas múmias, datadas de há 2.600 anos.

O material pertence ao Período Tardio, concretamente à dinastia XXVI (664-525 a.C), a última antes da conquista persa.

O Egito procura anunciar achados arqueológicos, com a intenção de reativar o setor turístico do país, uma das suas principais fontes de receitas, em recuperação depois da Primavera Árabe, mas que caiu fundo devido à pandemia.