A companhia aérea finlandesa Finnair anunciou esta terça-feira um corte permanente de 700 postos de trabalho devido ao impacto da pandemia da Covid-19 nas suas operações, depois de ter previsto 1.000 despedimentos no final de agosto.

A redução da mão-de-obra, composta por cerca de 6.500 trabalhadores, terá lugar antes do final de março de 2021 e afetará cerca de 600 trabalhadores Finnair na Finlândia e mais uma centena noutros países, de acordo com um comunicado da companhia aérea.

Este corte não incluirá o pessoal de voo — pilotos e tripulação de cabine — que será afetado, bem como o resto dos trabalhadores que permanecem na empresa, por despedimentos temporários de longa duração enquanto as restrições de viagem continuarem devido à pandemia da Covid-19.

A Finnair iniciou um programa de despedimentos em setembro com 2.800 dos seus 6.200 trabalhadores na Finlândia, com o objetivo inicial de despedir 1.000 pessoas para reduzir os seus custos fixos em 100 milhões de euros por ano.

Também negociou despedimentos permanentes com os quase 300 trabalhadores que tem fora da Finlândia, um terço dos quais perderá os seus empregos.

Este é um dia muito triste na Finnair. A pandemia do novo coronavírus tem sido completamente injusta para a nossa indústria e infelizmente muitos empregados da Finnair devem agora sofrer pessoalmente as consequências financeiras”, disse o presidente executivo (CEO) da Finnair, Topi Manner, no comunicado.

“No entanto, as mudanças são necessárias e inevitáveis. A reconstrução da Finnair exige que sejamos competitivos quando a aviação começar a recuperar gradualmente. Portanto, no futuro teremos de fazer muitas coisas diferentes para sermos bem-sucedidos neste mercado competitivo”, acrescentou.

A companhia aérea, cujo acionista maioritário é o Estado finlandês, também alertou que os despedimentos temporários que afetam toda a força de trabalho poderão ser muito duradouros para muitos empregados, uma vez que a recuperação do setor da aviação “levará vários anos”.

A Finnair está empenhada em ajudar os trabalhadores que forem despedidos através de um programa social, que incluirá apoio na procura de um novo emprego fora da empresa, formação educacional e orientação sobre empreendedorismo.