Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Já não vou dizer que os anos passam depressa porque isso é coisa que sabemos desde a adolescência, mas as décadas? A que velocidade passam as décadas? Ainda somos do tempo em que 20 anos era muito tempo. Se alguém fazia alguma coisa há 20 anos, fazia-o há uma vida. Era o Carlos do Carmo da carpintaria, a Simone do ponto-cruz, o Oliveira da assessoria de imprensa, do que fosse. Eis senão quando somos nós lá, já, a reportarmo-nos a coisas que aconteceram há 20 anos ou mais.

Há dias li, imagine, que estavam a publicar justamente uma edição comemorativa dos 20 anos de All That You Can’t Leave Behind dos U2 – é obsceno! 20 anos tem o Achtung Baby – toda a gente sabe! Para sempre! Ou querem convencer-me de que coisas como a Expo 98 algum dia também terão acontecido há 50 anos? Ridículo.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.