A Câmara de Vila Pouca de Aguiar apelou esta segunda-feira à população para evitar deslocações desnecessárias e atividades sociais, numa altura em que os casos ativos de infeção pelo novo coronavírus aumentaram para os 46.

O presidente da Câmara de Vila Pouca de Aguiar, Alberto Machado, mostrou-se preocupado com o aumento de casos ativos neste concelho do distrito de Vila Real. Segundo os boletins epidemiológicos divulgados pela Unidade de Saúde do Agrupamento de Centros de Saúde do Alto Tâmega, entre sábado e domingo o município aumentou dos 25 para os 46 casos ativos.

“A única forma de evitar a contaminação é evitar ao mínimo as deslocações e, sempre que for necessário, fazê-lo cumprindo as medidas de contenção como a utilização da máscara”, afirmou o autarca à agência Lusa. Em comunicado, a autarquia referiu que “há transmissão comunitária no território não se sabendo todas as origens de contaminação nos casos de infeção já registados” e frisou que a “única forma de evitar a contaminação é cumprir o isolamento, mas tal não sendo possível, é de evitar deslocações desnecessárias e atividades sociais”. Alberto Machado afirmou que os “casos de propagação têm-se vindo a desenvolver em ambiente social íntimo, ou seja, dentro do agregado familiar e em momentos sociais como festas de anos ou convívio com amigos“. O autarca associou “uma grande parte dos novos casos” a situações “de mobilidade”, como o regresso a casa de universitários e também de emigrantes.

Apontou ainda a “incapacidade clara dos médicos de saúde pública de conseguirem notificar as pessoas que estiveram com os portadores de Covid-19 em tempo útil” e disse que o município está disponível para apoiar, com recursos humanos, “para acelerar o processo e evitar novos contágios”. Desafiou também à partilha de “informações com as câmaras”, por parte das autoridades de saúde, para que seja possível dar apoio às pessoas que precisam de fazer isolamento e não possuem retaguarda familiar.

Alberto Machado disse que é “fundamental proteger as pessoas mais vulneráveis da comunidade como sejam pessoas idosas ou com doenças crónicas”. Neste sentido, lembrou a campanha de vacinação da gripe comum que está em curso e que decorre nas aldeias para evitar deslocações dos mais velhos.

No concelho de Vila Pouca de Aguiar estão ativas as linhas municipais de apoio à comunidade, como sejam a “Linha Covid” (800 203 472), disponível para esclarecer os aguiarenses e pedidos de apoio relativos ao coronavírus, e a “Linha Convida” (259 419 026), criada para dar apoio emocional às pessoas. O município apelou à adoção das medidas preventivas recomendadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS) como lavar ou desinfetar as mãos regularmente, usar sempre a máscara e evitar contactos a menos de dois metros, e possui ainda uma carrinha com avisos sonoros que está a percorrer o concelho.

Segundo o boletim do Alto Tâmega, há 233 casos positivos nos seis municípios deste território: 82 em Montalegre, 65 em Chaves, 46 em Vila Pouca de Aguiar, 28 em Valpaços, 11 em Ribeira de Pena e um em Boticas. Em Ribeira de Pena, a Junta de Freguesia de Salvador e Santo Aleixo de Além Tâmega, na sede do concelho, fechou temporariamente após terem sido detetados dois casos de infeção pelo novo coronavírus. Os restantes cinco funcionários e familiares estão em isolamento e vão fazer o teste. Portugal contabiliza pelo menos 2.198 mortos associados à Covid-19 em 101.860 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da DGS.