O negociador-chefe da União Europeia para as relações futuras com o Reino Unido no pós-Brexit, Michel Barnier, exortou esta terça-feira o seu homólogo britânico, David Frost, a “tirar o máximo partido do pouco tempo” que resta para alcançar um acordo.

“Falei hoje [terça-feira] de novo com David Frost. A minha mensagem: deveríamos estar a tirar o máximo partido do pouco tempo que resta”, escreveu Barnier na sua conta oficial na rede social Twitter, após novo contacto telefónico com o negociador-chefe do Reino Unido, na sequência de uma conversa ocorrida na segunda-feira para tentar desbloquear o impasse que dura há meses.

Nesse dia, Barnier garantiu ao seu homólogo britânico que o bloco comunitário está disponível para retomar as conversações “sobre todos os aspetos” do acordo, e de forma intensificada, dada a proximidade do fim do chamado período de transição, acordado entre as duas partes no quadro do Acordo de Saída do Reino Unido da UE, e que termina em 31 de dezembro próximo.

Na última sexta-feira, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou que o Reino Unido devia “preparar-se” para a perspetiva de sair do período de transição no final de dezembro sem um acordo de comércio com a UE. Os principais pontos de discórdia continuam a ser as condições de concorrência entre empresas, pescas e um mecanismo para se revolverem conflitos na aplicação do acordo que a UE exige para desbloquear um acordo que permita o acesso britânico ao mercado único europeu sem impor quotas nem taxas. O Reino Unido saiu da União Europeia em 31 de janeiro de 2020 e, em conformidade com o Acordo de Saída, é agora oficialmente um país terceiro, pelo que já não participa no processo de tomada de decisão da UE.

Por comum acordo, a UE e o Reino Unido decidiram, contudo, estabelecer um período de transição, que termina no último dia do ano, durante o qual Londres continua a aplicar as regras do bloco europeu e mantém acesso ao mercado único. Na ausência de um acordo sobre as relações futuras, serão impostas tarifas aduaneiras no comércio entre o Reino Unido e o bloco europeu a partir de 1 de janeiro de 2021.