Na época balnear de 2020 houve mais salvamentos nas praias portuguesas do que em 2019, mas continuam a existir mortes a lamentar em praias vigiadas, apesar de não terem sido por afogamento, avançou esta quarta-feira a Autoridade Marítima.

“Nem tudo correu bem. Temos a lamentar pessoas a falecer nas praias. Em praias vigiadas não houve vítimas por afogamento, que é a nossa grande preocupação, mas vítimas por doenças súbitas, que podem acorrer a qualquer pessoa”, explicou o diretor-geral da Autoridade Marítima e comandante-geral da Polícia Marítima.

O vice-almirante Sousa Pereira falava aos jornalistas numa conferência de imprensa para apresentar o balanço da época balnear, que terminou no dia 15 de outubro.

Este ano, devido à pandemia Covid-19, a época balnear foi entre 6 de junho e 15 de outubro, e não entre 1 de junho e 30 de setembro, tendo havido 7.610 nadadores-salvadores nas praias vigiadas que viram ser prorrogadas as validades dos seus certificados.

Este ano, as autoridades contabilizaram, entre 6 de junho e 15 de outubro, nove vítimas mortais em praias vigiadas, quatro em praias não vigiadas e duas em outras zonas marítimas não vigiadas, num total de 15 mortes. Nas praias vigiadas, a causa de morte em seis pessoas foi doença súbita e nas restantes três foram causas desconhecidas, enquanto em praias não vigiadas, três mortes resultaram por afogamento e uma por doença súbita. Antes do início da época balnear, entre 1 de maio e 3 de junho, registaram-se nas praias portuguesas seis mortes, três por afogamento, uma por doença súbita e dois por causa desconhecida.

Quanto às contraordenações, num total de 1.268, o vice-almirante Sousa Pereira indicou que a maioria deveu-se “sobretudo com o estacionamento em local não autorizado, a sobrelotação de algumas embarcações com o retomar da atividade turística e alguns ajuntamentos e operações em infraestruturas balneares em período não autorizado ou número superior ao permitido”.

“Todas as outras situações como desportos de praias bastava a sensibilização das autoridades para as pessoas desmobilizarem e não foi preciso instaurar contra ordenações”, explicou. O total das ações de sensibilização e recomendações realizadas pela Polícia Marítima cifrou-se em 51.879.

O diretor-geral da Autoridade Marítima lembrou que houve este ano um reforço de mais elementos na vigilância apeada, além de mais meios no terreno, com os tripulantes das viaturas todo-o-terreno ‘Amarok’ a terem capacidade de primeiros socorros também.

“Com os ‘Amarok’ foi possível acorrer a situações graves por força da preparação das autoridade marítima desses sistemas, o que permitiu salvar muitas vidas. Este ano houve também mais salvamentos nas praias do que é normal e serviços de primeiros socorros prestados nas praias o que demonstra que o dispositivo estava mais robustecido”, frisou.

De acordo com os dados apresentados durante a conferência de imprensa, as viaturas “Amarok” patrulharam 363.437 quilómetros, estiveram envolvidas em 58 salvamentos e 376 ações de primeiros socorros, tendo ainda ajudado 28 crianças perdidas. Para o próximo ano, Sousa Pereira espera “um reforço do dispositivo e da capacidade de comando e controlo”, afirmando que tal “é fundamental para prestação de um melhor serviço e assistência”.

“Agora vamos olhar para os números e estudá-los. Não paramos de pensar em épocas balneares, quando acaba uma começamos logo a preparar outra”, frisou.

Presente no balanço da época balnear esteve o secretário de Estado adjunto e da Defesa Nacional, Jorge Seguro Sanches, que enalteceu o “grande trabalho de cooperação entre todas as entidades”, reconhecendo que, no início, “os receios eram imensos” pelos desafios que a pandemia todos os dias coloca.

“Foi um desafio enorme. Não podemos dizer que tudo correu bem [devido às mortes ocorridas], mas conseguimos cumprir a missão do que era necessário fazer. Mais do que fazer o balanço de 2020 estamos a preparar 2021”, afirmou.

A Autoridade Marítima Nacional teve este ano nas praias um dispositivo reforçado composto por 452 elementos da Polícia Marítima, 121 tripulantes das Estações Salva-vidas e 133 militares da Marinha em apoio às Capitanias em ações de sensibilização e vigilância apeada nas praias (entre 01 de junho e 15 de setembro).