O treinador Jorge Jesus assumiu esta quarta-feira que o Benfica “não quer passar” pela Liga Europa de futebol e que pretende, sim, “chegar ao fim” da competição, na qual os ‘encarnados’ se estreiam com uma visita ao Lech Poznan.

“[Defrontar] O Benfica é sempre uma motivação extra para qualquer equipa, pelo passado e história deste clube, mais concretamente nesta competição. Não queremos passar por esta Liga Europa, mas, sim, chegar ao fim e estar em Gdansk [onde se disputa a final]. Mas um jogo de cada vez. Primeiro, temos de passar a fase de grupos e queremos começar bem amanhã [quinta-feira], com uma vitória”, afirmou Jesus, em conferência de imprensa.

O técnico fazia a antevisão do jogo da primeira jornada do grupo D, diante dos polacos do Lech Poznan, sendo que Jesus aceitou o favoritismo do Benfica nesta estreia, tendo em conta “o passado” do clube da Luz, embora deixando um alerta: “Temos de demonstrar dentro de campo que somos melhores.”

Jesus afirmou que o Benfica vai “tentar assumir o jogo, como faz em qualquer lugar”, perante um oponente que “vai criar problemas”, desde logo através das iniciativas do médio português Pedro Tiba, antigo jogador de Vitória de Setúbal, Sporting de Braga, Desportivo de Chaves, entre outros.

“O Pedro Tiba é um jogador que conhecemos muito bem, um miúdo que, em Portugal, já tinha um valor elevado e que, neste momento, é considerado um dos melhores jogadores desta equipa polaca. Vamos tentar que o Tiba não seja o Pedro Tiba habitual e que tenha menos influência no jogo deles”, avaliou.

Apesar de este ser o segundo de sete jogos que o Benfica terá em 21 dias, Jorge Jesus afastou quaisquer alterações no onze com base em aspetos físicos: “São muitos jogos, mas a equipa ainda não entrou nesse processo de fadiga acumulada.”

Certa é a presença do brasileiro Gilberto no lado direito da defesa, em consequência da grave lesão sofrida por André Almeida frente ao Rio Ave e que vai afastar o lateral português dos relvados durante largos meses.

“O André não é só um jogador com muitos anos de Benfica, é um dos capitães e tem caraterísticas especiais. Podem achar que não é um jogador tecnicamente virtuoso, mas tem muita qualidade tática. Pessoalmente, gosto muito de ter jogadores com as caraterísticas do André e não é por acaso que ele está no Benfica. Hoje [esta quarta-feira], é muito mais jogador do que quando eu saí do Benfica. É uma perda significativa, mas a vida é assim. Terá de jogar outro jogador na posição. Se não acontecer nada de especial até lá, amanhã jogará o Gilberto”, disse.

Já o médio Gabriel manifestou a vontade do Benfica em querer “impor” o seu jogo e sair de Poznan “com um resultado positivo”, face a um conjunto polaco que “é forte em casa” e que tem como principal virtude o “jogo posicional”.

Depois de nas duas primeiras épocas na Luz ter atuado mais como médio de transição, o chamado 8, Gabriel passou a jogar como 6 com Jorge Jesus, uma posição na qual o brasileiro, de 27 anos, se sente “confortável”.

“Sinto-me confortável. Já tinha jogado nessa posição antes. Foi só uma questão de tempo e adaptação. Tenho feito o meu melhor, tentando ajudar a equipa. Neste início de época estou a sentir-me bem”, transmitiu.

O Lech Poznan-Benfica está agendado para quinta-feira, a partir das 17:55 (hora de Lisboa), e será dirigido pelo montenegrino Nikola Dabanovic.