Os militantes do PSD Madeira reelegem esta sexta-feira Miguel Albuquerque para a liderança do partido, numas eleições internas em que é o único candidato ao cargo que assumiu pela primeira vez em dezembro de 2014.

Miguel Albuquerque sucedeu, na liderança do PSD Madeira, partido maioritário na região, a Alberto João Jardim, que durante quase quatro décadas esteve à frente do partido. Sucedeu-lhe também na presidência do Governo Regional, em 2015, tendo sido reeleito em setembro de 2019. Nas eleições legislativas regionais de 2019, Albuquerque não conseguiu assegurar a maioria absoluta que o PSD sempre teve na Madeira e, para assegurar a governação, convidou o CDS para uma coligação, o que aconteceu pela primeira vez no Governo Regional deste arquipélago.

Miguel Albuquerque, advogado, foi líder da JSD de 1990 a 1992 e foi presidente da Câmara do Funchal eleito em 1997, 2001, 2005 e 2009.

De acordo com o PSD Madeira, nas eleições internas desta sexta-feira estão em condições de votar cerca de 3.000 militantes, que têm as quotas em dia e mais de um ano e um dia de filiação. O ato eleitoral serve para eleger os elementos da Comissão Política, Secretariado e delegados ao XVIII congresso regional, que está marcado para 21 e 22 de novembro no Funchal, mas que deverá ser adiado por razões de segurança, por causa da Covid-19.

“Será quase certo o adiamento [do congresso]”, afirmou Miguel Albuquerque na quinta-feira, acrescentando que só acontecerá se estiverem reunidas “todas as condições de segurança, de distanciamento, para o poder fazer”.

As mesas de voto vão estar esta sexta-feira abertas entre as 17h30 e as 20h30 nas sedes do partido nas freguesias da região.

Em 29 de dezembro de 2014, Miguel Albuquerque foi eleito líder do PSD Madeira com 64% dos votos num universo de 6.232 votantes, um resultado superior ao alcançado por Alberto João Jardim em 2012, num ato eleitoral que foi disputado em duas voltas.

No primeira votação, em 19 de dezembro de 2014, concorreram seis militantes à liderança, mas o ex-autarca do Funchal foi o mais votado, tendo alcançado 47,2% das intenções de voto. Na segunda volta, Albuquerque derrotou Manuel António Correia, que era o então secretário regional do Ambiente e Recursos Naturais do governo madeirense.

Dois anos antes, noutras eleições internas do partido, Albuquerque já havia defrontado Alberto João Jardim, numa corrida à liderança na qual votaram 3.473 militantes. Jardim obteve 1.786 votos (51%) e o ex-presidente da Câmara Municipal do Funchal conseguiu 1.644 (48,6 %), o que representou uma diferença de 142 votos. Nas últimas diretas, em 14 de dezembro de 2018, Miguel Albuquerque foi reeleito presidente da comissão política do partido, sendo o único candidato, e reuniu 98,4% dos votos.