No dia em que o continente europeu ultrapassou os 200 mil casos diários de SARS-CoV-2, não foi só Portugal que bateu recorde de novas infeções. Vários países europeus atingiram esta quinta-feira um novo pico máximo de casos de Covid-19 em 24 horas. Da Dinamarca a França, passando pela Ucrânia e por Espanha, registou-se um aumento generalizado de infeções, ao mesmo tempo que se anunciou novas medidas para fazer face à pandemia. O cenário é tão pouco animador que até a Suécia se viu obrigada a recuar, com o primeiro-ministro do país a anunciar que “a festa acabou”.

Alemanha supera os 10 mil casos

Na Alemanha foram contabilizadas novas 11.287 infeções de Covid-19 em 24 horas, um novo máximo diário no país desde o início da pandemia. Também se registaram mais 30 óbitos.

Com estes novos números, pelo menos 380.762 pessoas foram infetadas na Alemanha, que registou um número total de 9.875 mortes causadas pela Covid-19.

Em reação a estes números, Lothar Wieler, presidente do Instituto Robert Koch, afirmou que a situação se tornou “muito séria no geral” e que “o vírus pode estar a espalhar-se de forma incontrolável”. No entanto, reconheceu que as autoridades alemãs vão fazer de tudo para conter a transmissão do vírus. “Não somos imponentes”, declarou.

Bélgica ultrapassa os 13 mil casos

A Bélgica registou esta quinta-feira 13.227 casos do novo coronavírus, o número mais elevado desde o início da pandemia, segundo a RTBF. Há ainda a registar a morte de 50 pessoas.

O número médio de novos casos na semana de 12 a 18 de outubro foi de 9.692, um aumento de 75% em relação à semana anterior.

A Bélgica, que impôs um recolher obrigatório entre as 00h e as 5h, já registou 253.386 infeções e 10.539 pessoas morreram devido à Covid-19.

Dinamarca atinge recorde de casos diários e planeia novas restrições

A Dinamarca registou esta quinta-feira um recorde de 760 novos casos diários de Covid-19, enquanto o governo planeia apertar as restrições para conter a disseminação do vírus. Morreram quatro pessoas nas últimas 24 horas resultantes da doença.

“Podemos precisar de novas restrições e esperamos que venham num futuro próximo. Estou cada vez mais preocupada. A epidemia está a espalhar-se rapidamente na Europa, que é agora o epicentro da epidemia”, afirmou a primeira-ministra, Mette Frrederiksen.

A nação nórdica contabiliza até agora 37.763 casos de Covid-19 e 694 óbitos.

Em Espanha, há “muitíssima preocupação”. País superou os 20 mil casos diários

Espanha registou, esta quinta-feira, 20.986 novas infeções pelo novo coronavírus, atingindo um novo máximo de casos diários. O Ministério da Saúde espanhol deu também conta de 155 óbitos causados pela doença.

Desde o início da pandemia, Espanha reportou 1.026.281 infeções de Covid-19, sendo o primeiro país europeu a ultrapassar a marca de um milhão de casos. O país também  regista 34.521 mortes, desde o início da pandemia.

O ministro da Saúde espanhol descreveu o recente aumento de casos de Covid-19 no país como sendo motivo de “muitíssima preocupação”. Salvador Illa anunciou que o país tem de estar preparado para enfrentar as “semanas muito duras” que Espanha tem pela frente e adiantou ainda que a “segunda vaga em Espanha e na Europa não é uma ameaça, é uma realidade”: “Há uma transmissão comunitária em muitos lugares”.

França reportou um número preocupante: quase 42 mil casos em 24 horas

Um dos países que registou um forte aumento de casos foi França, que atingiu um novo máximo de casos de Covid-19 esta quinta-feira. O país reportou nas últimas horas 41.622 novas infeções do novo coronavírus e 165 mortes, avançou o Le Figaro.

As autoridades francesas contabilizaram quase um milhão de casos de Covid-19 desde o início da pandemia — são 999.043 até ao momento. O número de óbitos da doença situa-se nos 34.210.

A subida de infeções acontece no dia em que Jean Castex anunciou que em mais 38 departamentos será imposto o recolher obrigatório a partir do próximo sábado. O primeiro-ministro francês assumiu que poderão ser aplicadas medidas mais severas se o número de casos continuar a aumentar.

Itália bate recorde pelo segundo dia consecutivo

Bastante fustigada na primeira fase da pandemia, Itália registou esta quinta-feira o máximo de casos em 24 horas. As autoridades italianas deram conta de 16.079 infeções e 136 mortos, avançou a Reuters.

Desde fevereiro deste ano, Itália registou 465.726 casos de Covid-19 e 36.968 óbitos em consequência da doença.

A região de Lazio deverá introduzir o recolher obrigatório das 00h às 05h pelo recente aumento de casos.

Países Baixos rondam os 10 mil casos diários

Os Países Baixos registaram esta quinta-feira um novo máximo de infeções diárias de Covid-19 pelo segundo dia consecutivo: as autoridades holandesas deram conta de 9.271 novos casos e 46 óbitos resultantes da doença, avançou a Reuters.

O país regista, desde o início da pandemia, 262.405 casos de Covid-19 e 6.919 mortes pelo novo coronavírus.

Ao que indicam os órgãos de comunicação social estrangeiros, os hospitais holandeses estão à beira de uma rutura e muitos doentes serão enviados para hospitais na Alemanha.

Polónia também atinge novo pico

A Polónia atingiu esta quinta-feira o número máximo de novos casos. Foram registadas 12.107 infeções, mais 2.067 do que o recorde de ontem, e morreram 168 pessoas.

De acordo com a Reuters, o governo polaco deverá anunciar novas medidas de restrição para conter a evolução da pandemia brevemente.

A Polónia, com 38 milhões de habitantes, tem um total acumulado de 214.686 infeções.

República Checa atinge quase 15 mil novas infeções

Os casos na República Checa continuam a aumentar, tendo sido registados mais 14.968 casos, de acordo com a Reuters.

O país de aproximadamente 10 milhões de habitantes, e que foi considerado um exemplo na primeira fase da pandemia, prepara-se para fechar a maioria do comércio e impor novas restrições para controlar a pandemia.

As autoridades checas já registaram 208.915 casos e 1.739 mortes devido ao novo coronavírus desde março.

Ucrânia chega aos 7 mil casos diários

A Ucrânia registou 7.053 casos do novo coronavírus. Há ainda a contabilizar 116 mortes devido à doença, de acordo com o Conselho de Segurança Nacional ucraniano citado pelo The Guardian. O país atingiu também o número máximo de mortes num dia (141) na passada quarta-feira.

Assim, a Ucrânia conta com um total acumulado de 322.879 infeções e 6.719 mortes.

Há um surto no seio das forças armadas ucranianas, de acordo com a imprensa daquele país. O vírus foi já detetado em 439 oficiais.