O Vietname anunciou que se prepara para a deslocar mais de 1,2 milhões de pessoas antes da chegada do tufão Molave, na quarta-feira, que já causou inundações e deslizamentos de terra ao passar pelas Filipinas.

O Vietname já registou 130 mortos devido a tempestades no último mês.

Mais de 30 mil pessoas retiradas nas Filipinas devido à passagem do tufão Molave

De acordo com o Centro Nacional de Meteorologia, o tufão provoca ventos de 135 quilómetros por hora e está próximo das ilhas Spratly, no Mar da China Meridional, onde deve ganhar força à medida que se move em direção à costa central do Vietname.

O vice-diretor do Centro Nacional de Meteorologia, Tran Quang Hoai, citado pelo portal VnExpress, disse esta segunda-feira que, perante o poder destrutivo do Molave, estão preparados para retirar mais de 1,2 milhão de habitantes das províncias de Ha Tinh, Quang Binh, Quang Tri, Thua Thien-Hue, Quang Nam e Bin DInh.

Esta é a mesma área em que 130 pessoas morreram desde o início de outubro e outras 20 estão desaparecidas devido a inundações e deslizamentos de terra causados por quatro tempestades tropicais consecutivas.

Mais de 368.000 militares, polícias e voluntários equipados com helicópteros, tanques e outros veículos estão a ser deslocados para as províncias afetadas para ajudar a retirar os moradores das áreas mais perigosas.

O primeiro-ministro vietnamita, Nguyen Xuan Phuc, pediu às autoridades locais que tomem precauções extremas e garantam o regresso à costa dos 65.000 barcos de pesca que operam na área porque “se o tufão for tão forte quanto o esperado, os danos causados pela chuvas e inundações serão enormes”.

Nguyen Xuan Phuc comparou o Molave ao tufão Damrey, que em 2017 matou pelo menos 108 pessoas e causou danos avaliados em mais de mil milhões de dólares (845 milhões de euros).

O Vietname tinha-se preparado no último fim de semana para a chegada da tempestade tropical Saudel, que perdeu força à medida que avançava em direção à costa do centro do país e só causou danos materiais.

O país experimentou algumas das inundações mais dramáticas em décadas no último mês, com até quatro metros de altura, que causaram sérios danos económicos em algumas de suas regiões mais pobres.

O tufão Molave também ameaça o vizinho Camboja, onde enchentes persistentes desde o início do mês causaram 39 mortes e afetaram 483.000 pessoas.