O Bloco de Esquerda (BE) denunciou esta terça-feira que a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) dos Enxames, no concelho do Fundão, nunca funcionou, apesar de ter sido construída há 10 anos e de ter custado mais de 900 mil euros.

O Núcleo Concelhio do Fundão do Bloco de Esquerda realizou uma visita à ETAR e comprovou que a infraestrutura está praticamente abandonada sem ter sido ainda sequer utilizada”, afirma aquela estrutura partidária do distrito de Castelo Branco, em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

O BE especifica que está em causa um investimento de 981.372 euros — 834.166 euros financiados pelo FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional) —, “feito para nada”, uma vez que, “em 70% do território” as condutas de saneamento não estão ligadas às habitações, mesmo tendo sido feitas.

O BE dá ainda conhecimento de que reuniu com o executivo da Junta de Freguesia dos Enxames, que deu conhecimento de que a autarquia se comprometeu a completar a obra da ETAR até ao final do ano.

Ou seja, finalmente pôr a funcionar uma infraestrutura, que nunca funcionou, construída há dez anos com fundos comunitários”, é sublinhado.

Segundo o BE, nesta reunião, para além da preocupação com a ETAR, também foi abordada a questão da distribuição de água, “que sofre recorrentemente com sérios problemas de rebentamentos, pois são as condutas mais estreitas do que o normal”.

Nesse ponto, os bloquistas deixam críticas à empresa responsável pelo serviço: “A Aquália, empresa responsável pelo serviço, mostra uma despreocupação, que não serve, claramente, a população dos Enxames. Seria importante requalificar estas condutas e a empresa comprometer-se pelo alcatroamento das vias depois das condutas feitas”.