Em setembro, uma reunião secreta na sede da Polícia Judiciária, em Lisboa, juntou investigadores alemães, ingleses e portugueses para trocar informações sobre Christian Brueckner, ele que é tido como o principal suspeito do desaparecimento de Maddie McCann em 2007. A notícia é avançada pelo Correio da Manhã e confirmada pelo Expresso.

Da reunião não resultaram novos indícios do envolvimento de Brueckner no mediático caso em torno de Maddie, no entanto, permitiu às autoridades alemãs reunir elementos referentes a outros dois casos, os quais poderão manter o suspeito preso durante vários anos — atualmente, Brueckner cumpre pena de sete anos por ter violado uma mulher de 72 anos, crime que ocorreu em Portugal.

Estes dois novos casos têm a ver com a violação de uma jovem irlandesa em 2004 no Algarve e com o exibicionismo de que uma criança alemã de 10 anos foi vítima (as autoridades alemãs acreditam que Brueckner agarrou o braço da criança enquanto se masturbava).

A reunião teve ainda por base o objetivo de traçar um perfil do alemão, de maneira a perceber como este se terá desfeito do corpo de Maddie.