O Presidente da República timorense decretou esta terça-feira a extensão do estado de emergência devido à Covid-19 por mais 30 dias, que decorrem até ao final do próximo dia 03 de dezembro, disseram à Lusa fontes da Presidência.

O decreto, que vai ser agora publicado no Jornal da República, foi assinado por Francisco Guterres Lú-Olo depois do Parlamento Nacional ter aprovado, perante a ausência do maior partido da oposição, a renovação do estado de exceção.

A bancada do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), que contestou a renovação do estado de emergência – pelo sétimo período de 30 dias – esteve ausente no momento da votação.

A autorização acabou por ser aprovada com 42 votos favoráveis.

Durante o debate, o Governo deu conta das medidas que tem tomado para controlar a pandemia, que exigem manter restrições nas entradas.

Os deputados referiram-se a vários aspetos como a necessidade de acelerar o pagamento de apoio a funcionários da linha da frente e a aplicação de medidas de apoio económico.

O Governo solicitou a renovação do estado de emergência dada a “evolução preocupante da situação epidemiológica e a proliferação de casos registados de contágio de Covid-19, tanto a nível regional, como a nível mundial”.

O executivo salientou que pretende “evitar e neutralizar os riscos de propagação do SARS-CoV-2, para assim proteger a saúde pública e a capacidade de resposta do Sistema Nacional de Saúde”.

Timor-Leste tem atualmente um caso ativo da Covid-19, com um total de 29 recuperados desde o início da pandemia.

Atualmente, 309 pessoas estão em quarentena em instalações ou hotéis do Governo, e 156 em auto-confinamento.

Desde o início da pandemia, as autoridades realizaram já quase 10.900 testes.

A assinatura do decreto foi o último ato do chefe de Estado timorense antes de iniciar um período de férias anuais entre quarta-feira e 6 de novembro.