Depois de ter conquistado o quinto lugar na categoria +78 kg do Grand Slam de Budapeste, na Hungria, no domingo, Rochele Nunes foi vítima de ataques racistas nas redes sociais.

“Vergonha é o que Brasil e Portugal sentem de você! Foi para a Europa, mas devia ir para o inferno MACACA DE M****!”, lê-se numa mensagem enviada à judoca luso-brasileira, que trocou o Brasil por Portugal em janeiro de 2019.

Apesar de ocultar a identidade do agressor, a judoca reagiu à mensagem primeiro através das “histórias” da rede social e mais tarde numa publicação.

Nas “histórias”, afirma que ter-se mudado para Portugal e representar a bandeira portuguesa no judo foi uma das “melhores escolhas” pessoais e profissionais da sua vida.

“Não tenho ódio, rancor e nem raiva ao Brasil, pelo contrário, tenho orgulho, admiração”, afirmou. “Quem é de fora não sabe o que nós, atletas, passamos para chegar onde chegamos. Então parem de falar o que não sabem! As palavras ferem e hoje me feriram”.

Mais tarde, num texto de agradecimento à Federação Portuguesa de Judo e ao Sport Lisboa e Benfica, a judoca voltou a referir o racismo de que foi vítima.

“E sobre os haters, duas amigas, que eu gosto muito, me disseram que tudo o que eles querem é atenção e fama. Algo que não vou dar além de um bom processo. Racistas não passarão. O nosso foco é muito maior que isso”, afirmou.

Em declarações ao jornal brasileiro Globoesporte, Rochele Nunes tentou desvalorizar a situação e reiterou o orgulho que tem nas suas “origens”.

Existiu de facto um comentário ofensivo e racista, através das minhas redes sociais, mas não vou valorizar muito. Tenho muito orgulho das minhas origens, no Brasil, país que me deu vida e que sempre honrei, dando o melhor de mim. Estou muito feliz por, hoje, ter o apoio de um dos maiores clubes do mundo, o Sport Lisboa e Benfica, e num país que me deu uma renovada oportunidade de mostrar o meu potencial desportivo. Orgulhosamente, sou agora também portuguesa e vivo rodeada de um excelente grupo de treino, tanto na Federação/Seleção Nacional como no meu clube”, afirmou.