Em comunicado, a Ordem dos Enfermeiros revela que mais de 200 enfermeiros especialistas em enfermagem comunitária/saúde pública disponibilizaram-se para integrar as unidades de Saúde Pública. Segundo a mesma, a listagem, com os nomes e contactos, que resultou de um questionário realizado na passada semana com o objetivo de conhecer as características Sociodemográficas e Profissionais dos Enfermeiros Especialistas, “já foi remetida ao Ministério da Saúde”.

Recorde-se que a Ordem dos Enfermeiros opôs-se frontalmente à decisão de colocar alunos do curso de licenciatura em Enfermagem nas Unidades de Saúde Pública a realizar inquéritos epidemiológicos, por considerar que tal medida não se justifica nesta fase, quando ainda há centenas de Enfermeiros disponíveis para integrar as unidades de Saúde Pública — um outro questionário realizado pela Ordem este mês concluiu que há, pelo menos, 412 Enfermeiros desempregados com disponibilidade imediata, dos quais 300 nunca foram contactados”, pode ler-se no documento.

De acordo com os relatos que já chegaram à Ordem, os alunos de enfermagem “estão a apresentar-se sozinhos, sem professor, não dispõem de posto de trabalho, computador ou telemóvel, tendo-lhes sido sugerido que utilizassem material próprio”.

A Ordem dos Enfermeiros recorda que, desde o início do ano, o Ministério da Saúde não abriu um único concurso para contratar Enfermeiros ou Enfermeiros Especialistas, estando a oferecer contratos de apenas quatro meses.