A Pousada da Juventude do Porto pode começar, a partir de 1 de novembro, a receber pessoas com teste negativo à Covid-19 que precisem de ser isoladas do núcleo familiar ou instituição por terem testado positivo, foi esta terça-feira revelado.

“As instalações da Pousada da Juventude serão disponibilizadas a partir de 1 de novembro para reforçar a estrutura distrital de resposta à Covid-19”, indicou o gabinete do Secretário de Estado da Mobilidade e coordenador Regional Norte do covid-19, Eduardo Pinheiro. De acordo com mesma fonte, a coordenação do processo será da Comissão Distrital de Proteção Civil do Porto.

Numa nota publicada esta terça-feira na sua página oficial, o município tinha já garantido ter operacionais um conjunto de respostas reforçadas para neutralizar a evolução da Covid-19, nomeadamente a Pousada da Juventude, que foi proposta como estrutura de retaguarda para receber pessoas com teste negativo, que tivessem de ser separadas de outras, dentro do mesmo núcleo familiar ou instituição que testassem positivo à infeção pelo novo coronavírus.

“Essa proposta foi agora acolhida pelo Ministério da Saúde, estando pronta a ser operacionalizada. Para manter a estrutura, o Município do Porto está disponível a apoiar com uma verba mensal de 50 mil euros”, lê-se no texto. Ainda durante o mês de novembro, vai ser também alargada a resposta dos Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) do Porto Ocidental na área dedicada às doenças respiratórias.

À Lusa, a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte revelou que a antiga Escola Básica António Aroso, cedida pela Câmara do Porto para reforçar a resposta, deverá estar operacional durante o mês de novembro, após obras de adaptação. De acordo com a informação prestada pela ARS Norte, o edifício terá de sofrer obras de adaptação para que possa funcionar como um “centro de saúde provisório” reforçando a resposta naquela zona da cidade.

A Câmara do Porto aprovou, por unanimidade, na segunda-feira, em reunião do executivo, a cedência, por meio ano, das instalações da antiga Escola Básica António Aroso à ARS Norte, para alargamento da Área Dedicada aos Doentes Respiratórios no Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) do Porto Ocidental. Na proposta aprovada em sede de executivo, a maioria municipal indica que a cedência, em regime de comodato, tem a duração de seis meses, período que pode vir a ser prolongado caso a situação epidemiológica persista.

A autarquia assinala ainda que o estabelecimento de ensino foi solicitado pelo ACeS Porto Ocidental que informou a autarquia que tem vindo a debater-se com falta de espaço para o alargamento da capacidade de resposta da sua Área Dedicada aos Doentes Respiratórios.