A Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) já realizou mais de cinco mil testes rápidos à Covid-19. Segundo fonte oficial da CVP, desde o dia 19 de setembro, altura em que foram feitos os primeiros testes em Valença, até esta quarta-feira foram feitos 5.333 testes de antigénio.

Esta sexta-feira a ministra da Saúde anunciou que o Governo tinha aceitado 500 mil testes rápidos da Cruz Vermelha, que iriam ser utilizados de acordo com a norma de Estratégia Nacional de Testes para a SARS-CoV-2 — divulgada esta segunda-feira — “em contexto de surtos”. A sua utilização está prevista quando os testes moleculares — os testes PCR — forem demorados ou não estiverem disponíveis e será privilegiada em surtos nas escolas e em lares.

Testes rápidos são para usar sempre que testes PCR sejam muito demorados. Surtos em lares e escolas também com recurso a testes rápidos

Estes testes vão ser entregues de forma faseada, sendo que a primeira tranche de 100 mil testes chegará na primeira semana de novembro, indicou ainda Marta Temido. Fonte oficial da Cruz Vermelha adiantou ao Observador que a previsão é entregar os restantes ainda nesse mês. Estes testes irão integrar a reserva estratégica nacional.

Dias complicados e pressão no SNS. Ministra já marcou nova reunião com especialistas e admite novas medidas

Os testes rápidos de antigénio são semelhantes aos testes PCR, mas com a vantagem conseguirem obter um resultado mais rápido. É recolhida uma amostra na nasofaringe através de uma zaragatoa e, depois da colheita, a zaragatoa é colocada no interior de um tubo de ensaio com um líquido. Em seguida toca-se com a zaragatoa numa zona específica do dispositivo e aguarda-se pelo resultado, explicou fonte oficial da CVP ao Observador. Ao fim de 15 minutos aparece uma ou duas barras consoante o resultado for negativo ou positivo.

Cruz Vermelha já começou a utilizar os testes rápidos para a Covid-19, que ainda precisam de validação de um teste convencional

Testes a 20 euros ou gratuitos com prescrição

Estes testes rápidos têm um custo de 20 euros se forem feitos a título particular. Caso sejam prescritos pelo Serviço Nacional de Saúde, não têm qualquer custo, tal como os testes de PCR, cujo preço na CVP a título particular varia entre 60 a 65 euros.

A Cruz Vermelha tem ainda uma via verde de acesso a estes testes para agentes da proteção civil (como PSP, GNR, bombeiros, militares e INEM), permitindo a sua realização de forma gratuita.

A realização dos testes de antigénio ou moleculares implica sempre um agendamento prévio, que pode ser feito através do site para os testes à Covid-19 da CVP e onde é possível escolher a área geográfica e o horário que lhe for mais conveniente. Caso não exista um posto fixo na zona, pode contactar a Cruz Vermelha através do 1415 para saber onde se encontra a unidade móvel mais próxima, indicou ainda fonte oficial da CVP ao Observador.

Atualmente existem 11 postos fixos da CVP em Portugal, mais concretamente em Valença, Braga, Fafe, Vale de Cambra, Vilar Formoso, Coimbra, Leiria, Carregado, Lisboa, Setúbal e Tavira. Além de cinco unidades móveis alocadas a Coimbra, Vilar Formoso, Abrantes, Leiria e Setúbal, sendo que em breve haverá mais uma em Vale de Cambra.