A Câmara da Maia, no distrito do Porto, decidiu descer os impostos diretos de forma a contribuir para “uma maior liquidez das famílias e empresas” e suspender a Taxa Municipal de Turismo, informou esta terça-feira em comunicado.

O executivo decidiu fixar a taxa de Derrama em 1,5% dos lucros das empresas com um volume de negócios superior a 150 mil euros e aplicar uma taxa reduzida de 0,4% para todas as empresas cujo volume de negócios não ultrapasse aquele valor”, refere a nota de imprensa enviada à agência Lusa.

A Câmara da Maia descreve que, “relativamente ao IMI [Imposto Municipal sobre Imóveis] decidiu uma nova redução do imposto, fixando-o agora em 0,370%”. As famílias com três ou mais filhos terão uma dedução fixa de 70 euros.

“Este ano, o Município da Maia prescindirá de receitas fiscais, em benefício das famílias e das empresas, no valor estimado de mais de 4,4 milhões de euros”, refere a autarquia que também anunciou a suspensão da Taxa Municipal de Turismo e que será proposta a prorrogação do prazo de isenção temporária da Taxa Complementar pela Manutenção de Infraestruturas Urbanísticas, bem como a redução temporária de 50% da TMU [Taxa Municipal de Urbanização] e da Taxa por Ocupação do Espaço Público.

Não hesitámos em abdicar da Derrama de 2019 e em continuar a diminuir a de 2020, porque temos consciência das dificuldades por que estão a passar as empresas. Mas temos de encontrar um equilíbrio que permita à câmara continuar a investir”, refere o presidente da câmara da Maia, António Silva Tiago, citado no comunicado.