Mais de 1,2 milhões de casas foram destruídas pelas inundações no centro do Vietname e a situação pode piorar esta quarta-feira com a chegada do tufão Molave ao país, alertou a Federação Internacional da Cruz Vermelha (FICV).

Centenas de milhares de pessoas precisam de abrigo, água potável, cuidados de saúde e alimentos após o centro do país ter sido devastado por quatro grandes tempestades no mês passado, sublinhou num comunicado a organização com sede em Genebra.

A FICV lançou um pedido de ajuda internacional de 3,6 milhões de euros para atender as pessoas afetadas, cujo número pode aumentar devido aos efeitos do tufão Molave.

A Cruz Vermelha no Vietname está a ajudar com voluntários e funcionários na retirada de mais de 1,3 milhões de pessoas na área onde se prevê que o tufão seja mais forte.

“Todos os esforços extenuantes para conter os efeitos sociais e económicos da pandemia do novo coroanvírus estão a ser neutralizados pelas fortes tempestades que estão nos atingindo”, lamentou o presidente da Cruz Vermelha vietnamita, Nguyen Thi Xuan Thu.

A FICV estimou que pelo menos 150.000 pessoas correm o risco de fome depois de as tempestades anteriores terem destruído milhares de hectares de plantações e mataram mais de dois milhões de cabeças de gado e aves.

As tempestades do mês passado causaram 130 mortos e 20 desaparecidos em inundações e deslizamentos de terra.