Os protestos contra as declarações do Presidente francês, Emmanuel Macron, sobre a liberdade de expressão em França continuam esta sexta-feira a ecoar nos mundos árabe e muçulmano, desta vez com manifestações no Líbano e na Palestina.

Atentado em França. Suspeito será jovem tunisino de 21 anos

Em Beirute, vários confrontos eclodiram entre as forças de segurança e manifestantes que protestavam nas proximidades da residência do embaixador francês na capital libanesa contra a posição de Paris sobre a publicação de caricaturas do profeta Maomé.

Após as tradicionais orações de sexta-feira numa mesquita próxima da zona, cerca de 200 manifestantes marcharam em direção à residência do diplomata francês, ostentando bandeiras negras com a inscrição “chahada”, profissão de fé muçulmana. Dezenas de elementos das forças antimotim foram enviadas então para o local com o objetivo de impedir que a manifestação, organizada pelo pequeno partido islamita Hizb al-Tahir, avançasse para a residência do embaixador de França.

Alguns manifestantes começaram a lançar pedras em direção aos agentes da polícia, que ripostaram com granadas de gás lacrimogéneo.

As manifestações de protesto contra Macron estenderam-se também a todo o território palestiniano, desde Jerusalém a Gaza, passando pela Cisjordânia, com milhares nas ruas a criticarem o que consideram ser “os abusos contra o profeta Maomé”, com bandeiras a cartazes com o rosto de Macron.

Em Jerusalém, milhares de palestinianos manifestaram-se na Esplanada das Mesquitas após terminarem as orações do meio-dia na Mesquita de Al Aqsa e pelo menos três foram detidos pela polícia, segundo noticiou o jornal digital Times of Israel.

“Com as nossas almas e o nosso sangue iremos sacrificar-nos pelo profeta Maomé”, foi uma das palavras de ordem nos protestos. “Não há nenhum deus além de Deus. Macron é inimigo de Deus” ou ainda “Maomé, a tua nação não vai ceder”, gritaram os manifestantes na Esplanada das Mesquitas, um dos locais mais sagrados do Islão.

No seu sermão, o xeque Ekrima Sabri responsabilizou o Presidente francês “pelos atos de violência e caos em França por causa das suas declarações provocatórias contra o Islão”, numa referência a vários ataques mortais perpetrados recentemente na França, incluindo o de quinta-feira numa basílica católica de Nice (sul).

Centenas de outros palestinianos marcharam também em Kufar Aqab, o bairro árabe de Jerusalém, bem como no campo de refugiados de Qalandia, na Cisjordânia, onde incendiaram bandeiras de França e cartazes com a efígie de Macron.

Fotos. O mundo muçulmano manifesta-se contra Macron

Em Gaza, os protestos foram convocados pelo movimento islamita Hamas, que governa o enclave palestiniano, e decorreram em várias zonas do território, com o maior a registar-se no campo de refugiados de Yabalia, norte, também depois de terminadas as orações. Os manifestantes entoaram canções de louvor a Maomé e gritaram palavras de ordem contra os abusos que consideram que a França está a cometer. O Hamas instou também todos os palestinianos, árabes e muçulmanos, a unirem-se na campanha internacional de boicote aos produtos franceses.

“Pedimos às nações árabes e islâmicas de todo o mundo que se unam para enfrentar este assalto criminoso contra o nosso profeta”, afirmou Fathi Hamad, líder do Hamad em Yabalia. “Os abusos contra o profeta Maomé em França provocam danos à doutrina de dois mil milhões de muçulmanos em todo o mundo”, sublinhou Hamad, indicando que o boicote aos produtos franceses “é o mínimo que o povo pode fazer para apoiar” a causa.

Os partidos islâmicos convocaram manifestações contra a França após o apoio de Macron à liberdade de publicação de caricaturas, dado durante uma homenagem ao professor francês Samuel Paty, decapitado em 16 de outubro por um checheno-russo, após ter exibido caricaturas de Maomé durante uma aula sobre liberdade de expressão.

Apaixonado pelo ensino e com um filho de cinco anos: quem era Samuel Paty, o professor decapitado em França?

Esses partidos também criticam os comentários de Macron quando este referiu no início de outubro que o Islão está “em crise”. Quinta-feira, após um ataque a uma igreja católica em Nice, que deixou três mortos, Macron denunciou o ato como “um ataque terrorista islâmico”.