Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Defender é o mais radical dos modelos da Land Rover e o veículo ideal para quem deseja realizar incursões por terrenos mais inóspitos. Mas, na versão mais recente, cresceu de tal forma face à geração anterior que criou espaço para o fabricante inglês lançasse um baby Defender, mais pequeno, mais ágil e, sobretudo, mais acessível. Apesar de não existir uma posição oficial sobre este projecto, por parte do construtor do grupo Jaguar Land Rover, a publicação inglesa What Car? avança com dados bastante específicos. A começar pela data em que o baby Defender deverá chegar ao mercado, estando alegadamente previsto para 2022.

Ao que parece, para explorar as menores dimensões e o peso mais reduzido do pequeno Defender, o fabricante deverá equipá-lo com o motor 1.5 com três cilindros a gasolina, que já possui, unidade que poderá ser reforçada nas versões mais potentes com uma solução híbrida plug-in, daí retirando vantagens no preço e no impacto ambiental.

Segundo os britânicos, o baby Defender será proposto por menos 40% do que o Defender convencional em Inglaterra. A acontecer igualmente essa redução no nosso mercado, tal abriria a possibilidade de aceder ao modelo um novo tipo de clientes, capazes de perdoar um habitáculo menos sofisticado e com menos equipamento. Em resumo, como o Defender original.

Outra das soluções que está em cima da mesa e que pode explicar esse preço tão competitivo prende-se com a hipótese de a versão mais barata contar apenas com tracção à frente. Isto pode parecer um sacrilégio para muitos, mas a Land Rover está consciente que muitos dos clientes que compram SUV como o Audi Q3, BMW X1 e Mercedes GLC não circulam habitualmente por estradas de terra e, muito menos, arriscam incursões mais ousadas pelo todo-o-terreno.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR