Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em atualização

Nelson Oliveira, na cadeira da liderança do contrarrelógio que no Giro se tornou uma espécie de trono para Filippo Ganna, tirava a camisola quando foi focado pelas câmaras. Acabara de perder o primeiro tempo para o americano Will Barta, da CCC, num resultado que pareceu surpreender também o português. Apesar de haver ainda a dúvida sobre o triunfo do jovem corredor de 24 anos, tendo em conta a transposição da linha do auxiliar de Barta quando trocou de bicicleta na parte final da etapa, o tempo de referência tinha trocado mas nem por isso anulava o grande dia de mais um atleta nacional na Vuelta, depois do terceiro lugar de Rui Costa na sexta etapa. No final, Nelson Oliveira, o melhor contrarrelogista nacional, terminou no terceiro posto, sendo também superado por Primoz Roglic, que conseguiu superar todos os tempos e roubar a camisola vermelha a Richard Carapaz.

Em termos de classificação geral, o esloveno da Jumbo, vencedor da Vuelta em 2019 que já passou (e ganhou) pela Volta ao Algarve, passou a ter 39 segundos de avanço sobre o equatoriano da Ineos mas acabou por falhar aquilo que alguns já diziam ser um xeque-mate na decisão da Volta a Espanha. E ainda há Hugh Carthy, da EF Pro Cycling, que ganhou uma etapa nesta edição e continua na luta pela vitória com 47 segundos de atraso em relação à camisola vermelha. Enrique Mas, esse, afundou-se por completo a mais de três minutos da liderança.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR