A pandemia alterou por duas ocasiões a final da Supertaça de voleibol. Primeiro, com o adiamento da meia-final entre Sporting e Benfica por haver alguns casos positivos de Covid-19 entre os elementos verde e brancos; depois, com nova mudança na data prevista no encontro decisivo devido a um surto que assolou a equipa do Sp. Espinho. À terceira foi mesmo de vez e Gondomar recebeu o último jogo da primeira competição nacional da temporada, com os encarnados a vencerem pela margem máxima (3-0) com os parciais de 25-16, 25-17 e 25-21.

Benfica conquista Supertaça de voleibol pela oitava vez

Desta forma, o Benfica conquistou a sua décima Supertaça do historial, nona nos últimos dez anos onde apenas o Sp. Espinho se conseguiu intrometer na hegemonia das águias no ano de 2017. Contas feitas, a formação lisboeta tem o dobro dos troféus da segunda equipa com mais títulos nesta competição, o Castêlo da Maia. Em paralelo, nota ainda para o prolongamento da série de vitórias consecutivas do Benfica em provas nacionais para 42, entre Campeonato (fase regular e playoff), Taça de Portugal e Supertaça, com um total de 126-15 em sets.

Benfica vence novo dérbi, quebra invencibilidade do Sporting no Campeonato e soma 39.º triunfo seguido nas provas nacionais

“A minha equipa não precisou de entrar num nível de erro muito alto no serviço para causar dificuldades no sistema ofensivo deles. Conseguimos aproveitar bem o sistema de bloco e defesa e contra-ataque. Muitas vezes, forçamos muito o serviço para tentar pontuar, mas hoje não, conseguimos perceber o que dava para trabalhar no bloco e na defesa e isso foi importante. A qualidade dos jogadores do Benfica é incrível, tanto dos que jogam como dos que ficam no banco por opção. Conseguimos jogar melhor do que eles, que também tiveram um problema com o distribuidor titular, o José Monteiro. Esperava um jogo mais difícil e, por isso, passei dois dias muito preocupado, avaliando muito bem tudo o que podia acontecer no adversário. Achei que o jogo ia ser muito mais difícil”, disse no final o treinador brasileiro Marcel Matz, que ganhou mais um título nos encarnados.

“Nunca conseguimos ter a tranquilidade e encontrar forma de fazer pontos. O Benfica apresentou-se muito bem e acabou por conseguir ser superior em quase todos os parâmetros do jogo. Foi um jogo que antevíamos difícil e a minha equipa nunca conseguiu jogar e pôr em campo o seu valor. Quando é assim é muito complicado, muito mais contra um adversário que sabemos que é muito forte. Estava à espera de muito mais da minha equipa mas eles deram o que podiam ter dado. A equipa do Benfica esteve muito bem e está de parabéns por isso”, argumentou Vítor Pinto no final da partida, técnico da formação de Espinho.