Depois dos atentados da semana passada em várias cidades francesas e na capital austríaca — que esta quarta-feira levaram o Reino Unido a elevar o nível de alerta terrorista de “substancial” para “grave” —, também as autoridades portuguesas reforçaram a vigilância a potenciais alvos de atentados e redobraram a atenção que habitualmente já dão às cerca de duas dezenas de suspeitos de radicalização islâmica no território. Apesar disso, o risco de atentado no País não sofreu qualquer alteração, mantendo-se “moderado”.

Atentado em França. Suspeito será jovem tunisino de 21 anos

Ao Jornal de Notícias, que esta quinta-feira dá conta deste reforço policial, fonte oficial da PSP confirmou este aumento do número de efetivos “junto das embaixadas e de outros pontos relevantes” e garantiu que está a “acompanhar atentamente a situação internacional”.

“Terrorismo islâmico”. Ataques em Viena fazem cinco mortos e 22 feridos, um deles português

Também de acordo com o jornal, a Unidade de Coordenação Antiterrorista não tem indícios de que Portugal conste da lista de alvos a atingir por radicais islâmicos.