Depois de o Governo ter decidido que as feiras e os mercados vão poder continuar a funcionar nos 121 concelhos sujeitos a medidas mais restritivas para conter a Covid-19, caso tenham autorização das respetivas autarquias, a Câmara Municipal do Porto anunciou esta sexta-feira que autorizou a realização de um conjunto de feiras e mercados na cidade. A Feira da Vandoma, do Cerco e da Pasteleira continuam suspensas.

Segundo um despacho assinado por Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto, está autorizada a realização das seguintes feiras: Feira de Produtos Biológicos do Parque da Cidade, Feira dos Passarinhos, Feira de Numismática, Filatelia e Colecionismo, Feira  de Antiguidades e Velharias e Feira de Artesanato da Batalha. Já quanto aos mercados municipais, está autorizado o Mercado de Artesanato do Porto, o Mercado da Ribeira, o Mercado do Covelo e o Mercadinho da Ribeira.

Quanto aos mercados de iniciativa privada, está também autorizada a realização do Mercado da Alegria, no Jardim do Passeio Alegre, e do Mercado Porto Belo, na Praça de Carlos Alberto, que “obtiveram parecer favorável da Autoridade de Saúde”. A autarquia considera que “estão reunidas, no atual momento, as condições de segurança” para a realização destas feiras e mercados.

Em nota publicada no site oficial, a Câmara do Porto refere que cabe ao município elaborar e assegurar o cumprimento dos planos de contingência, “com as respetivas medidas que se impõem adequadas aos espaços, estando, assim, salvaguardadas as medidas impostas pela Direção-Geral da Saúde”.

De fora desta reabertura ficam as feiras da Vandoma, da Pasteleira e do Cerco, que continuam suspensas. Na quarta-feira o grupo municipal do Bloco de Esquerda (BE) questionou a autarquia sobre a suspensão destas três feiras, cuja reabertura tem sido “sucessivamente adiada”. Num requerimento dirigido ao presidente da Assembleia Municipal do Porto, o BE pergunta se a Câmara do Porto vai procurar soluções para levantar a suspensão.

À data, o gabinete de imprensa esclareceu que a reabertura, prevista para o início de setembro, foi suspensa, tendo sido decretado por despacho do presidente da Câmara do Porto, de 30 de setembro, que tal decisão se ia manter em vigor durante o estado de contingência. Tendo sido, entretanto, decretado o estado de calamidade e face ao aumento do número de infetados a decisão de suspender estas três feiras mantém-se inalterada, explicou o gabinete de imprensa.

Feiras da Vandoma, Cerco e Pasteleira continuam suspensas durante estado de contingência

No despacho de 30 setembro, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, referia que aquelas feiras “têm especificidades próprias e grande dimensão, mantendo-se a preocupação em termos de saúde pública, em virtude não só da dimensão bem como da elevada afluência de visitantes”.