Para dar uma mão à promoção do novo BMW iX3, o SUV eléctrico que usa como base o X3 da marca germânica, a BMW concebeu um curioso veículo. É eléctrico, alimentado por bateria, e se a potência de que usufrui não impressiona, já o mesmo não se pode dizer do resultado. O modelo em causa é capaz de voar ou, pelo menos, de o ajudar a manter-se no ar durante mais tempo.

Trata-se de um wingsuit, que se pode traduzir por um fato-asa, que se usa para saltar de um local elevado e depois explorar o vento para percorrer distâncias consideráveis. Por vezes, de forma tão veloz quanto preocupantemente próximo de obstáculos.

O que diferencia este wingsuit dos restantes é a estrutura que o utilizador transporta ao peito. Ao centro está uma bateria e um sistema de gestão de energia, para de cada lado existir dois hélices em fibra de carbono protegidos, capazes de girar a 25.000 rotações por minuto, impulsionados por um motor de 10 cv, cada.

A bateria, pequena e leve, como é fundamental para qualquer “coisa” que voe, garante ainda assim que o utilizador ganhe velocidade ou altitude, ou pura e simplesmente voe durante mais tempo ou mais depressa. Pelo menos durante cinco minutos, não necessariamente consecutivos. De realçar que o fumo que se vê nos vídeos não é tóxico e (obviamente) não é provocado pelos motores, destinando-se apenas a melhorar o espectáculo.

No final do voo, o “piloto” do wingsuit transforma-se num paraquedista, que aterra com suavidade onde achar melhor – idealmente, próximo do local onde estacionou o seu automóvel, para evitar grandes caminhadas com todo este material às costas.