Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Assistiu, assistiu, marcou. Num jogo importante para o FC Porto após a derrota em Paços de Ferreira, e que voltou a começar com o adversário na frente do marcador, Sérgio Oliveira ficou privado da “ajuda” de Uribe no corredor central depois da entrada de Taremi mas foi também nessa fase que mais cresceu. Tanto que, no final, terminou com um golo e duas assistências, no triunfo por 3-1 frente ao Portimonense. O médio, único jogador dos “grandes” chamado à Seleção para os próximos compromissos, foi o MVP do encontro e marcou pelo quarto jogo consecutivo, algo que nenhum português dos azuis e brancos conseguiu desde Domingos Paciência, em 1995/96.

A cara deste Sérgio não engana (a crónica do FC Porto-Portimonense)

Em dez jogos realizados na presente temporada, o capitão de equipa (por ausência de Pepe e Marcano) já superou o registo de golos da última época (6-5) e igualou também aquele que era o seu máximo da carreira nos seniores, em 2012/13 quando estava na equipa B dos dragões. Olhando apenas para o registo no Campeonato, Sérgio Oliveira é o segundo jogador com mais participações em golo, sete, apenas atrás de Pedro Gonçalves, do Sporting (oito). E foi já a segunda vez neste arranque que marcou e assistiu, o que já tinha feito também no Bessa. Todos estes dados levaram mesmo a comparação com Deco, no Porto Canal, que o médio acabaria por afastar.

“Estou feliz pela vitória mas triste pela nossa primeira parte. O mister tinha vindo a alertar que é preciso entrarmos ligados ao jogo e mais uma vez não conseguimos. Estamos desiludidos com isso mas conseguimos dar a volta no segundo tempo e ficámos contentes nesse aspeto. Fizemos uma boa segunda parte e agora temos dez dias, quem fica cá e quem vai para as seleções, para repor energias e assentar bem a poeira. Estamos aí, estamos na luta! Golo em cima do intervalo? Claro que foi importante marcar no final da primeira parte mas seria mais importante ter marcado primeiro, pois temos vindo sempre a sofrer e assim fica mais difícil. Vamos mudar seguramente e como já disse contem connosco sempre até ao fim, somos Porto”, disse o médio na flash interview da SportTV.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Marcar ou assistir? Eu gosto é de ganhar sempre, se marco ou assisto é indiferente. Quero ganhar sempre aqui”, destacou, antes de abordar também o facto de ser o único jogador dos “grandes” chamado à Seleção. “É um orgulho para todos e não fujo à regra. Vou com todo o entusiasmo para ajudar o meu país e a Seleção mas não tenho responsabilidade acrescida. Vou fazer o meu melhor e quando temos a consciência tranquila nesse aspeto não há nada a dizer. Olhe, e aproveito para mandar um abraço ao meu sogro que faz anos, dedico-lhe este golo”, atirou ainda o médio dos azuis e brancos que voltou a ser capitão do conjunto de Sérgio Conceição.

Mais tarde, em declarações ao Porto Canal, Sérgio Oliveira falou também do momento que atravessa na presente temporada mas recusou comparações com um nome de peso que admirava quando andava ainda pelos relvados. “Registos neste arranque como o Deco? Ainda estamos no início [da temporada]… Sou um admirador do Deco mas não há comparação possível, foi um craque em todos os aspetos do clube e, se calhar, foi o melhor médio a passar em Portugal. É ótimo ter um arranque como o dele. Tenho chegado mais à área [esta temporada], tenho vindo a melhorar isso. Se conseguir fazer golos, assistências e jogar bem, fico orgulhoso. No entanto, o mais importante para nós é ganhar, temos essa responsabilidade”, comentou o jogador formado nos azuis e brancos.

“Já estamos habituados a que as equipas tenham a atitude que não vejo nos outros jogos quando jogam contra o FC Porto. No entanto, é normal que tentem igualar nesse aspeto, em termos de qualidade nós somos superiores. Aos adeptos, posso dizer que contem connosco sempre, até ao fim”, concluiu o internacional português.