A companhia de um animal de estimação é um excelente antídoto contra a ansiedade e o stresse emocional, ajuda a combater a depressão, promove a saúde cardiovascular e a manutenção de um peso saudável. Em crianças, pode prevenir doenças crónicas, como alergias respiratórias e asma. Mas estas não são as únicas mais-valias de ter um animal de estimação. Além de promover a saúde física e emocional, a chegada de um novo membro, como um cão ou um gato, ao seio familiar também significa passar a ter uma fonte constante de alegria e brincadeira. Mas antes de dar este passo, existem várias decisões importantes a tomar. A primeira delas é saber onde ir buscar o novo elemento da família: vale a pena comprar ou será mais benéfico adotar?

Comprar ou adotar?

A pergunta que muitas famílias podem colocar é se realmente compensa comprar um animal de estimação quando existem milhares de animais, nomeadamente cães e gatos, à espera de uma família em instituições de acolhimento. “Comprar ou adotar?” É uma questão pertinente. A resposta pode parecer difícil, mas rapidamente se torna clara quando pensamos nas vantagens de optarmos pela adoção. Além da atitude solidária que tomamos ao adotar um animal que ainda não tem uma família — a cada ano, surgem cerca de 10 milhões de animais em associações de resgate ou acolhimento —, existem várias razões para preferir um animal adotado. Uma delas é o preço. Adotar é significativamente mais barato do que comprar um animal de raça pura. Além das vantagens financeiras, ao comprar um animal não terá o histórico habitualmente fornecido pelas instituições de adoção, que além de o informarem sobre o estado de saúde do animal, também podem assegurar todo o apoio burocrático necessário após a adoção. Mas há mais bons motivos.

Mais-valias de adotar um amigo de quatro patas

Outra vantagem óbvia da adoção é poder escolher um animal com uma idade mais avançada. Ao adotar um patudo já adulto, está automaticamente a poupar em custos inerentes aos primeiros cuidados de saúde (muitos dos problemas de saúde, nomeadamente de origem genética, tendem a aparecer nos primeiros meses e anos de vida), mas também poderá ter o privilégio de encontrar um animal bem-educado, já pronto para conviver com o seu novo dono, sem que para isso tenha de despender horas a fio a incutir-lhe regras de bom comportamento. Afinal, um animal acabado de comprar e ainda bebé requer muito mais tempo (e paciência) para se adaptar às novas rotinas exigidas pelo dono. Outra questão relevante é a indústria de produção de animais de raça pura, que se tem desenvolvido de forma descontrolada nos últimos anos e que tem promovido a criação em massa, em condições que colocam a saúde e a vida destes animais em risco. Assim, ao adotar um cão ou um gato, também estará a contribuir para a diminuição desta indústria descontrolada que tem como único objetivo o lucro financeiro.

Ilustração: Diogo Batuca

E depois de adotar, que passos tomar?

Depois da adoção, existem vários passos a seguir para manter o seu novo melhor amigo em segurança, na sua nova casa. Um dos primeiros é registar o animal no Sistema de Informação de Animais de Companhia (SIAC) — uma obrigatoriedade legal. Depois deste registo, o cão ou o gato terá direito a um microchip que o identifica para sempre. Desta forma, em caso de perda, o SIAC prestará todo o apoio necessário. O próximo passo a tomar passa pela marcação de uma consulta no veterinário. Esta primeira ida ao especialista em saúde animal deve ser realizada nos dias a seguir à adoção, não só para esclarecer todas as dúvidas que possam existir sobre o comportamento e as aprendizagens do animal, mas também para definir um programa de desparasitações e de vacinas, adequado ao local onde vai viver e à sua idade. É importante que numa fase inicial disponibilize ao cão ou ao gato a comida a que este já estava habituado, e só gradualmente ir mudando para a alimentação que for escolhida pela nova família — que deve considerar a idade e o tamanho do animal, mas também o orçamento familiar. Outro passo essencial que não deve descurar é a realização de um seguro adequado às necessidades do animal. Um bom seguro é uma proteção para o seu novo amigo de quatro patas, mas também uma garantia de tranquilidade para toda a família, que, em situações imprevistas da saúde do animal, terá uma resposta rápida e de confiança, com acesso aos melhores prestadores de serviços a preços especiais.

Como escolher um bom seguro animal

Há vários critérios a ter em conta na hora de escolher um bom seguro para o seu animal de estimação. O mais importante é que se informe detalhadamente sobre todas as condições incluídas no plano e verifique a lista dos prestadores de serviços convencionados, os quais devem estar situados perto da sua zona de residência. Outro ponto muito útil é perceber quais os descontos a que o seguro dá acesso nos serviços que, a priori, irão ser os mais utilizados. Um seguro que ofereça até cerca de 50 por cento de desconto em alguns dos serviços mais requisitados e, normalmente, mais dispendiosos será uma boa aposta.

Vantagens únicas de aderir ao Cofidis Seguro Pet

Mostrar Esconder
  1. Pode ser subscrito de forma 100% digital.
  2. Não requer qualquer plafond. A quantia que quer despender é definida por si.
  3. Os três primeiros meses de seguro são gratuitos, para quem apresentar prova de adoção de animal até 31 de dezembro de 2020.

O acesso a descontos em serviços de bem-estar, como alimentação ou hotéis, e uma linha de aconselhamento veterinário permanente são outras mais-valias que tornam um seguro mais completo. O Codifis Seguro Pet proporciona todas estas condições para assegurar os melhores cuidados de saúde e bem-estar ao seu animal de estimação. Além de ser muito fácil de subscrever: vai precisar apenas de um computador ou de um smartphone e de uma ligação à internet, para, em poucos minutos, o acionar, uma vez que o Cofidis Seguro Pet é 100% digital. Isto quer dizer que pode subscrevê-lo sem sair do conforto de sua casa e sem enfrentar filas, bastando ir ao site da Cofidis. É rápido e intuitivo. Mas a comodidade não é a sua única mais-valia. Também do ponto de vista económico traz vantagens: o Codifis Seguro Pet não requer qualquer plafond pré-definido — o valor que está disposto a despender é definido por si. Mas há mais. Saiba que se adotar um animal — cão ou gato — até 31 de dezembro de 2020 e depois subscrever o Seguro Cofidis Pet, usufrui de três meses de seguro grátis. Ao ativá-lo, passará a ter acesso aos melhores prestadores de serviços de saúde e bem-estar animal da sua área de residência (o Cofidis Seguro Pet conta com uma rede de prestadores de serviços em todo o país), com descontos que podem ir até aos 55 por cento. E para quando as dúvidas surgem, tem sempre disponível uma linha de assistência telefónica 24 horas por dia. Se já for cliente Cofidis, terá a oferta de um voucher de 10€ para realizar compras no site Meganimal na ativação do seguro. Faça a simulação aqui.

O seguro Cofidis Seguros Pet é um seguro da Seguradora RNA Seguros de Assistência, S.A., com o capital social de € 2500000,00, matriculada na C.R.C. de Lisboa sob o NIPC 513259120, com sede na Alameda Fernão Lopes, 16, 6.º, 1495-190 Algés e autorizada junto da ASF  com o número de registo 1193. Mediadora do Seguro COFIDIS (Sucursal da S.A. francesa Cofidis com o capital social de € 67.500.000,00), com representação permanente na Av.ª de Berna, 52, 6.º, 1069-046 Lisboa, registada na C.R.C. de Lisboa sob o NIPC 980125995, registada junto das autoridades francesas sob o n.º 07023493 da ORIAS, atuando em Portugal no âmbito da liberdade de estabelecimento, conforme notificação remetida à ASF. Não dispensa a consulta da informação pré-contratual e contratual do Cofidis Seguros Pets legalmente exigida