O tribunal de Guimarães condenou um homem “com uma vida desestruturada” por violar a amiga que lhe permitiu uma pernoita em sua casa, aplicando-lhe uma pena efetiva de quatro anos e meio de prisão, informou esta quarta-feira a Procuradoria Regional.

“O tribunal considerou provado que o arguido, no dia 16 de maio de 2020, pelas 04h20, a pretexto de precisar de descansar, se acolheu na casa da vítima, uma sua amiga residente numa freguesia de Guimarães”, relata a Procuradoria Regional do Porto, na sua página na Internet.

Considerou ainda provado que, por volta das 06h00, quando a mulher se aprontava para ir trabalhar, “abordou-a, agarrou-a e prendeu-lhe os braços, tirou-lhe à força roupa que envergava e manteve com ela relações sexuais”.

O tribunal exclui a hipótese de suspender a pena (decisão possível até cinco anos de prisão) tendo em conta “os antecedentes criminais do arguido, e a personalidade alheada do dever-ser jurídico que deles se conclui, assim como a vida desestruturada que apresentava”.