O proprietário de um estabelecimento que funcionava depois do horário de fecho no concelho de Santa Cruz, na Madeira, foi detido esta quinta-feira por desobediência às regras da prevenção da pandemia, informou a Polícia de Segurança Pública (PSP).

A PSP “procedeu à detenção de um homem com 60 anos, pelo crime de desobediência às regras em vigor no estado de emergência e em consonância com as normas emanadas pela Presidência do Governo Regional da Madeira relativamente aos horários dos estabelecimentos”, pode ler-se no comunicado divulgado pelo Comando Regional da Madeira.

Esta é a primeira detenção tornada pública devido a este tipo de situação, que ocorreu esta quinta-feira, no concelho de Santa Cruz, contíguo a leste do Funchal.

No mesmo documento, a autoridade policial adianta que o gerente do estabelecimento foi “notificado no dia 11 de novembro, pelas 21h30, de que teria de encerrar o espaço às 00h”, cumprindo a legislação em vigor. Contudo, “pelas 1h44 foi o estabelecimento fiscalizado a laborar com nove pessoas no seu interior, as quais consumiam produtos, entre os quais bebidas alcoólicas fornecidas pelo espaço”, lê-se na nota da PSP. Ainda indica que “o gerente encontrava-se também no interior do estabelecimento, tendo o mesmo sido detido”.

“Após todas as diligências processuais, foi presente a Tribunal, tendo sido constituído arguido e sujeito a Termo de Identidade e Residência”, salienta.

O Comando Regional da PSP aproveita para apelar a “todos os cidadãos, e em especial aos proprietários de estabelecimentos, para que cumpram com as normas emanadas pelo Governo Regional da Madeira e pela Direção-Geral de Saúde”, argumentando ser responsabilidade de “todos a missão de combater a pandemia e evitar que os casos de transmissão aumentem significativamente”.

Os dados divulgados quarta-feira pelo IASaúde apontam que a Madeira regista 212 casos ativos de Covid-19, 142 dos quais importados, ascendendo a 569 as situações confirmadas no arquipélago desde o início da pandemia.

Esta quinta-feira, o presidente do executivo madeirense, Miguel Albuquerque anunciou que as autoridades de saúde da Madeira estão a monitorizar cerca de 700 pessoas ligadas aos cerca de 70 casos de transmissão local que existem no arquipélago e reiterou a inexistência de transmissão comunitária na região.