Um total de 121.087 estrangeiros obteve a nacionalidade portuguesa em 2019. Face a 2018, registou-se uma diminuição (127.950), mas a tendência continua a ser de crescimento. Por seu turno, o número de pedidos de nacionalidade continuam a aumentar, segundo dados do Diário de Notícias.

Tal como em 2018, foram os brasileiros quem mais adquiriram cidadania portuguesa: 10.706. Seguiram-se os cabo-verdianos, com 4.299, os ucranianos, com 1.967, os angolanos com 1.865 e os guineenses com 1.756.

Já os pedidos de nacionalidade mantêm a subida dos antes anteriores, tendo superado os 180 mil em 2019. No ano anterior, contabilizaram-se 174.624 pedidos.

Desde 2015, já foram registados mais 533.595 novos portugueses. Para obter a nacionalidade portuguesa, é necessário que, por exemplo, um estrangeiro resida legalmente em Portugal há cinco anos, ou seja casado com um cidadão português há pelo menos três anos.

A nova lei da nacionalidade, publicada em Diário da República esta quarta-feira, facilita o processo para obter a cidadania portuguesa. Por exemplo, para os filhos de imigrantes que nascem em Portugal, o tempo de permanência obrigatória dos progenitores, cuja situação migratória pode não estar regularizada, diminui de dois para um ano.

A recente lei da nacionalidade foi vetada por Marcelo Rebelo de Sousa em agosto, mas em outubro foi novamente aprovada pelo Parlamento.

Lei da Nacionalidade com exigências iguais para cônjuges de portugueses com ou sem filhos