A Impress, uma rede de clínicas espanhola especializada em ortodontia invisível (um tratamento que consiste no desenvolvimento de um conjunto de alinhadores transparentes e personalizados para cada paciente) e que aposta num serviço digital, fechou uma ronda de investimento de cinco milhões de euros. Este investimento serve para expandir o negócio para outras cidades e países e teve a participação da sociedade de capital de risco portuguesa Bynd Venture Capital, da TA Ventures, da Sabadell VC e de outros investidores europeus.

A startup foi fundada em Barcelona em março de 2019 por Khaled Kasem, Dilara e Vladimir Lupenko, tendo entrado em Portugal em janeiro deste ano e contando já com 20 clínicas em Espanha, uma em Itália e três em Portugal (Porto, Lisboa e Braga). Esta empresa de saúde oral tem também uma parte tecnológica: uma app que permite monitorizar toda a evolução do paciente e evitar idas constantes à clínica quando pode não ser necessário.

Através de fotografias tiradas pela pessoa, os nossos médicos conseguem ver o progresso e podem aconselhar os pacientes a irem à clínica mais próxima para receberem um tratamento médico presencial. Isto origina um resultado melhor e mais rápido, e uma necessidade de ajustes ao tratamento muito abaixo da média da indústria, que muitas vezes utiliza alinhadores adicionais para corrigir problemas quando o tratamento já deveria estar concluído”, afirma o responsável Khaled Kasem, citado em comunicado.

Além da app, a clínica desenvolve os alinhadores transparentes através de um scan 3D que utiliza inteligência artificial. A nova ronda de investimento vai permitir à Impress apostar “numa maior digitalização dos processos ortodônticos” e expandir para outras cidades de Espanha, Portugal e Itália e também para novos países.

A ideia da rede de clínicas surgiu depois dos tempos de Khaled Kasem como médico e professor na Universidade de Barcelona. “Tentei todos os métodos existentes para mover os dentes através do uso de aparelhos transparentes e estéticos, que têm sido uma alternativa para os aparelhos de metal tradicionais há muitos anos”, explica, acrescentando que o objetivo é tornar esta opção mais acessível ao aplicar as novas tecnologias à digitalização de um setor tradicional.

Com várias clínicas espalhadas por Espanha, Itália e Portugal, “os pacientes deixam de estar vinculados a uma única clínica e podem desfrutar de uma enorme flexibilidade na maneira como se comunicam com o seu médico durante o tratamento, o que inclui a capacidade de iniciar o tratamento numa cidade e terminar noutra, de forma muito acessível”, acrescenta.

A Impress prevê a abertura de mais dez clínicas em Portugal. Em fevereiro deste ano, a Bynd Venture Capital, que participou neste novo investimento, já tinha apostado nesta startup através do seu fundo de 10 milhões de euros lançado há um ano.