O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, avisou esta sexta-feira que “o Natal terá que ser diferente” devido à pandemia do novo coronavírus. No entanto, defende que os portugueses têm que saber com antecedência o que irá acontecer.

É preciso mudar o estilo de Natal que sempre tivemos, reduzir o número de pessoas, dividir o número de pessoas. O Natal este ano é muito longo, porque vai de 24 a 27”, disse aos jornalistas, antes de se reunir com empresários do setor do turismo, restauração e hotelaria da região Centro, no Luso, concelho da Mealhada.

Marcelo Rebelo de Sousa irá reunir-se durante a próxima semana com os partidos para discutir a renovação do estado de emergência. O Presidente pretende saber, com base nos “efeitos das medidas tomadas agora”, se o recolher obrigatório se irá manter ou se “deve haver diferenciação de regimes, com medidas mais duras para os municípios afetados”. Nesses encontros, espera “fixar no horizonte aquilo com que contam os portugueses a partir de dezembro”, mês de Natal e Ano Novo, frisou.

“Fui o primeiro a dar a má notícia de que tinha de se mudar o estilo de Natal que sempre tivemos”, recordou o chefe de Estado. “Isto estará nas conversas com os partidos, na audiência com o primeiro-ministro e estará nas nossas cabeças”, disse, reforçando que os portugueses têm de saber “com tempo” o que vai acontecer no Natal.