O laboratório chinês BGI Genomics anunciou que o regulador médico brasileiro aprovou a utilização no Brasil de um teste rápido de deteção do novo coronavírus responsável pela Covid-19.

Num comunicado enviado no sábado à Bolsa de Valores de Shenzhen, no sul da China, o BGI Genomics revelou que a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) será válida durante os próximos 10 anos.

Segundo o laboratório chinês, este teste com base em biologia molecular (RT-PCR, na sigla inglesa) permite detetar a presença do material genético do SARS-CoV-2, obtendo resultados em algumas horas.

A empresa disse acreditar que a decisão da Anvisa poderá abrir as portas do mercado brasileiro para este teste, que já foi também aprovado na União Europeia e nos Estados Unidos.

O grupo chinês de biotecnologia BGI Group, do qual faz parte o BGI Genomics, assinou em julho um acordo com o Governo angolano para instalar cinco laboratórios, conhecidos como Huoyan (“Olho de Fogo”), com capacidade para processar até 6.000 testes de diagnóstico da Covid-19 por dia.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de mortos (mais de 5,8 milhões de casos e 165.798 óbitos), segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Os Estados Unidos são o país com mais mortos (246.224) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 11 milhões). A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.319.561 mortos resultantes de mais de 54,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.