A Câmara de Vila Nova de Gaia vai substituir as festas natalícias pela entrega de vouchers para gastar no comércio local e utilizar o que sobrar da verba alocada ao Natal para apoiar as instituições de solidariedade social.

Não vamos ter praça de Natal, nem roda gigante, nem pista de gelo, mas precisamos de um sinal de esperança. Teremos um camião parada a percorrer todas as escolas do concelho com o Pai Natal para dar prendinhas às crianças. Já cada funcionário do Município em vez de receber o tradicional cabaz de Natal terá um voucher de 30 euros para utilização no comércio tradicional de Gaia”, revelou esta segunda-feira o presidente da câmara de Gaia.

Eduardo Vítor Rodrigues, que falava numa reunião camarária que decorreu por videoconferência devido à pandemia da Covid-19, contou que relativamente ao Natal decidiu manter a iluminação “de forma a dar vida às ruas e ajudar os comerciantes”, num investimento de 340 mil euros.

“As luzes serão ligadas no início de dezembro em dia e hora que não será revelada para evitar ajuntamentos”, revelou, no final da reunião, Eduardo Vítor Rodrigues que quanto ao valor que “sobra”, cerca de 350 mil euros, do orçamento para atividades, disse que será “integramente utilizado no apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS)”.

“Ao dia de hoje [esta segunda-feira] há IPSS que estão com dificuldade em saber como vão pagar o subsídio de natal aos trabalhadores. O Município não vai virar as costas. Esperemos que a Segurança Social também não”, referiu o autarca.

Além de apoio financeiro, a autarquia vai financiar os cabazes alimentares que serão distribuídos às famílias pelas IPSS.

Quanto aos vouchers a gastar no comércio local serão distribuídos a mais de dois milhares de funcionários camarários, num total a rondar os 100 mil euros de investimento.

Já o camião parada vai passar por 105 escolas básicas, num total de 15 mil alunos.

Portugal contabiliza pelo menos 3.472 mortos associados à Covid-19 em 225.672 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 9 de novembro e até 23 de novembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado e municípios vizinhos. A medida abrange 191 concelhos.

Durante a semana, o recolher obrigatório tem de ser respeitado entre as 23h00 e as 05h00, enquanto nos fins de semana a circulação está limitada entre as 13h00 de sábado e as 05h00 de domingo e entre as 13h00 de domingo e as 05h00 de segunda-feira.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.319.561 mortos resultantes de mais de 54,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.