O PCP pediu esta segunda-feira ao Governo que corrija os “exageros e desajustamentos” e “restrições horárias” dos restaurantes ao fim de semana devido à pandemia de Covid-19, “em diálogo e articulação com as associações empresariais e sindicatos”.

Os comunistas consideram ser “necessário responder rapidamente” aos problemas da restauração e o executivo deve fazer uma “reflexão e correção das medidas avançadas” relativamente a “restrições horárias e de funcionamento dos estabelecimentos, pondo cobro a exageros e desajustamentos em função dos setores específicos mais afetados”, segundo um comunicado do gabinete de imprensa do PCP.

Sem avançar com propostas muito concretas, o partido quer uma “reconsideração e calibração das medidas avançadas” para que sejam uma “efetiva rede de sobrevivência e salvaguarda das micro e pequenas empresas afetadas, eliminando critérios que até hoje têm constituído barreiras ao acesso de milhares de empresas”.

Os comunistas reclamaram ainda um combate à burocracia do “aparelho de Estado” para que os apoios sejam distribuídos de forma rápida, dado que “não é possível” as empresas suportarem “meses de atraso”.

Para o PCP, as “recentes e ‘novas’ medidas avançadas pelo Governo, em particular os confinamentos de fim de semana, particularmente gravosas para a restauração, são manifestamente desproporcionadas e exageradas, mal desenhadas, a suscitar uma ampla e vigorosa oposição dos empresários mais afetados”. As medidas anunciadas “são também, mais uma vez insuficientes, meros paliativos incapazes de fazer frente aos prejuízos causados pelas decisões do Governo PS”, lê-se ainda no comunicado.

O PCP recordou que assumiu estas críticas “ao votar contra o estado de emergência” e na reação às mais recentes decisões do Conselho de Ministros.

Portugal contabiliza pelo menos 3.381 mortos associados à Covid-19 em 217.301 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 9 de novembro e até 23 de novembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado e municípios vizinhos. A medida abrange 114 concelhos, número que passa a 191 a partir desta segunda-feira. Durante a semana, o recolher obrigatório tem de ser respeitado entre as 23h e as 5h, enquanto nos fins de semana a circulação está limitada entre as 13:00 de sábado e as 05:00 de domingo e entre as 13h de domingo e as 5h de segunda-feira.