Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As três maiores operadoras de telecomunicações aumentaram os preços das mensalidades do pacote base de oferta tripla de televisão por cabo, Internet e telefone fixo, em mais de 3%. De acordo com um comunicado da Anacom, a Meo, a Nos e a Vodafone aumentaram as mensalidades em cerca de um euro entre outubro e novembro — em plena segunda vaga da pandemia — ao mesmo tempo e numa dimensão muito superior à inflação.

O regulador destaca ainda este aumento aconteceu em simultâneo com uma “redução da qualidade deste tipo de ofertas nos três operadores, visto que a velocidade de download anunciada baixou de 100 Mbps para 30 Mbps”. Com estas atualizações, o preço destes pacotes de “triple-play” passa ser de cerca de 31 euros,, já que desde 2018 que a Vodafone, que até então praticava preços mais baixo, se aproximou do nível de valores cobrados pela Nos e pela Meo.

Este aumento de prestação mensal afeta cerca de 1,7 milhões de clientes em Portugal, que representa 40% do total de subscritores. E acontece num momento, nota o regulador, em que os utilizadores estão mais dependentes do acesso às comunicações para fins profissionais educativos por causa das restrições da pandemia que impuseram o teletrabalho.

O comunicado surge em plena guerra de palavras (e que deve passar a jurídica) com as operadoras sobre as condições para o leilão do 5G.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Anacom refere ainda que a Meo e a Nos introduziram um limite mensal de tráfego nos doados fixos, de 500 GB (gigabites) e 600 GB, respetivamente, que “não existia no mercado das comunicações em Portugal desde os primórdios da oferta em banda larga”.  “Trata-se de uma alteração substancial da configuração de produto tendo como referência, pelo menos, a última década”.  A Nos retirou, entretanto, o limite de tráfego acima indicado, acrescenta a Anacom.

A Anacom sublinha ainda que as ofertas das três operadoras já comparavam desfavoravelmente com a média internacional.