A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) anunciou esta terça-feira que é coordenadora nacional do projeto EDUMEDIATEST, cofinanciado pela Comissão Europeia, e que visa avaliar os graus de literacia mediática dos alunos entre 14 e 18 anos.

Numa nota divulgada no site, a ERC adianta que esta avaliação decorre em sete países europeus, através dos respetivos reguladores do audiovisual e de organismos públicos da área da educação.

O projeto EDUMEDIATEST enquadra-se no programa da Comissão Europeia ‘Literacia para os Media para Todos’ que incentiva a educação para os media para erradicar a desinformação e apoiar os cidadãos a gerirem de forma crítica os conteúdos e interações estabelecidas nas redes sociais”, refere o regulador.

Além da ERC, participam ainda no projeto a Agência para os Media Eletrónicos da República da Croácia (AEM), o Conselho de Transmissão e Retransmissão da República Eslovaca (RVR), o Conselho Superior do Audiovisual (CSA) da França e o Conselho do Audiovisual da Catalunha (CAC), que coordena a nível europeu a iniciativa.

Participam também a Faculdade de Comunicações da Universidade Pompeu Fabra, em Barcelona, o Centro Nacional dos Media Audiovisuais e Comunicação (EKOME), da Grécia, e o centro de apoio à educação Dublin West, da Irlanda.

“O projeto EDUMEDIATEST pressupõe numa primeira fase a avaliação dos conhecimentos dos alunos através de uma ferramenta digital interativa composta por 43 perguntas (cuja resposta implica a análise de fotografias e de vídeos e pesquisas na Internet) aplicadas pelos professores por via eletrónica”, adianta.

O objetivo “é identificar o conhecimento dos jovens entre os 14 e os 18 anos e a sua capacidade de se expressarem de modo compreensível”, sendo que “as competências testadas incidem sobre a capacidade de os alunos identificarem desinformação, detetarem interesses ocultos nas fontes de informação e reconhecerem estereótipos”.

Os jovens são encorajados a adotarem “comportamentos responsáveis no que respeita aos direitos de autor”.

A ERC refere que a ferramenta interativa está preparada para ser integrada nas atividades das aulas.

Numa segunda fase, serão criados materiais de ensino e apresentadas atividades de literacia para os media que os professores poderão aplicar, a partir dos resultados das avaliações das suas turmas e das falhas a corrigir em cada grupo de alunos”, acrescenta.

O regulador explica que a ferramenta terá uma fase de testes-piloto para confirmar a compreensão das questões e a duração do exercício de pelo menos 100 alunos entre os 14 e 18 anos, nos sete países.

Os testes decorrem antes de janeiro próximo e o prazo limite para entrega do programa a Bruxelas é 1 de setembro de 2021.