A realizadora portuguesa Leonor Teles estará em foco no 58.º Festival Internacional de Cinema de Gijón, Espanha, que começa na sexta-feira apenas ‘online’, por causa da pandemia da covid-19.

De acordo com a programação divulgada, a secção “Foco” será dedicada a uma realizadora “muito jovem”, autora de um cinema com o qual “olha para si própria”, “sem pudor”, “muito consciente da imagem como uma linguagem em construção, destinada à intimidade”, afirma o festival.

O festival irá exibir praticamente toda a filmografia, curta, mas premiada, de Leonor Teles: a longa-metragem documental “Terra Franca” e as curtas-metragens “Rhoma Acans”, “Balada de um Batráquio” e “Cães que ladram aos pássaros”.

Com “Balada de um batráquio”, Leonor Teles venceu, em 2016, o Urso de Ouro de melhor curta-metragem do festival de cinema de Berlim, um de vários prémios internacionais já conquistados pela realizadora e diretora de fotografia.

Da programação oficial do festival de Gijón, faz parte ainda, na competição oficial de curtas-metragens, o filme “O cordeiro de Deus”, de David Pinheiro Vicente, que fez parte da seleção do festival IndieLisboa e da edição especial do festival de Cannes, em França.

Na competição de curtas asturianas está o filme “Extintor”, do realizador espanhol Rodrigo Sopeña, e no qual surge também creditada, na correalização, a atriz portuguesa Joana Solnado.

O festival irá acontecer, de forma paga, até ao dia 28, nas plataformas FICX.TV, Filmin e Festhome.