O Hospital de Santa Maria quase esgotou na quarta-feira a capacidade atual de cuidados intensivos para doentes Covid-19, com apenas uma cama livre, mas prevê alargar a capacidade para 28 vagas e, se necessário, chegar às 48. Em enfermaria estavam internados 98 doentes com Covid-19, para uma capacidade de 120 camas, mas o plano de contingência prevê a possibilidade de expansão da capacidade até às 250 vagas.

Em declarações à Rádio Observador, o presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) explica que está já a ser reconvertida uma nova unidade dos serviços de cirurgia, mas será necessário criar novas unidades de cuidados intensivos.

“No fundo isto vai implicar novas unidades de cuidados intensivos e daí a necessidade de mobilizar recursos de todos os serviços. Uma coisa são unidades que nós já temos em funcionamento, mas que podemos reconverter — temos mais uma unidade de cuidados intensivos que poderemos reconverter —, mas mesmo assim as camas não vão chegar e daí que tenhamos de montar duas novas unidade de cuidados intensivos”, diz Daniel Ferro, acrescentando que haverá “algumas camas” ainda esta semana.

Santa Maria assume que precisa de montar novas unidades de cuidados intensivos

Ainda assim, o responsável pelo CHULN afasta o cenário de rutura, referindo que as camas têm sido disponibilizadas “à medida das necessidades”, mas será preciso abrir novas camas, tendo em conta o aumento das necessidades.

Nenhum doente deixou de ser tratado e temos tido na altura certa as camas necessárias. Não está perto de uma situação de rutura. A capacidade do hospital existe, o que tem é que ser progressivamente ativada.”

Na quarta-feira, o centro hospitalar suspendeu toda a atividade cirúrgica não urgente que implique internamento, por causa da necessidade de resposta à pandemia de Covid-19. Contudo, manteve toda a atividade em ambulatório, incluindo a cirúrgica, as consultas (mesmo presenciais) e o hospital de dia.

Covid-19. Hospitais Santa Maria e Pulido Valente suspendem cirurgias não urgentes

Segundo uma circular do Centro Hospitalar Lisboa Norte, que abrange os hospitais de Santa Maria e Pulido Valente, esta decisão foi tomada “dando sequência a orientações da tutela dirigidas à mobilização global dos recursos no Serviço Nacional de Saúde.

Em declarações à TSF, Daniel Ferro disse ainda que esta suspensão pode demorar três semanas ou dois meses, dependendo da evolução da situação: “O ritmo da infeção, as necessidades que decorrem da infeção é uma dinâmica que depende não apenas dos sistemas de saúde, mas da atitude da população face à pandemia”, disse.

Não podemos ter qualquer previsão se é uma situação que vai demorar três semanas ou dois meses”, frisou.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.339.130 mortos resultantes de mais de 55,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo.

Em Portugal, os últimos dados oficiais indicam que morreram 3.632 pessoas dos 236.015 casos de infeção confirmados.