A Conferência das Nações Unidas sobre o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) prevê uma recessão económica mundial de 4,3% este ano, antecipando um crescimento de 4,1% em 2021, de acordo com um relatório esta quinta-feira divulgado.

“A UNCTAD prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) caia cerca de 4,3% em 2020, com uma recuperação mundial esperada de 4,1% em 2021”, pode ler-se no relatório “Impacto da pandemia de Covid-19 no Comércio e Desenvolvimento”.

O documento prevê um cenário pior, em termos de decrescimento económico, para as economias desenvolvidas, que devem registar uma queda do PIB de 5,8%, ao passo que as economias em desenvolvimento devem cair 2,1%. As economias desenvolvidas devem “esperar uma recuperação mais fraca em 2021, nos 3,1%, comparados com os 5,7%” das economias em desenvolvimento, segundo a UNCTAD.

Ao contrário da crise financeira mundial de 2008/09, os países em desenvolvimento deverão experenciar um crescimento negativo em 2020, e as economias desenvolvidas deverão experienciar uma queda muito mais profunda na produção, passando de 3,4% em 2009 comparado com 5,8% em 2020″, de acordo com o relatório.

A UNCTAD afirma ainda que “sem surpresa, os dados mostram uma variedade divergente de tendências a nível regional e de países”, com a China e a Coreia do Sul a preverem “um crescimento positivo, apesar de fraco, em 2020, de 1,3% e 0,1%, respetivamente”.

“As Américas, tanto a desenvolvida como a desenvolvimento, deverão experenciar um crescimento negativo da produção em 2020: a Argentina nos -10,4%, o Brasil nos 5,7%, o México nos -10% e os Estados Unidos da América de -5,4%”, segundo o relatório da UNCTAD.

Também os países europeus deverão “sofrer um crescimento negativo significativo este ano, com a França nos -8,1%, a Alemanha nos -4,9%, a Itália nos -8,6% e o Reino Unido nos -9,9%“. O documento não apresenta previsões para Portugal.

O FMI prevê uma queda da economia mundial de 4,4% em 2020, com uma contração de 4,3% nos Estados Unidos e de 5,3% no Japão, enquanto a China deverá crescer 1,9%. Para 2021, a organização com sede em Washington antecipa um crescimento da economia mundial de 5,2%, face a 2020.